PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Associação da PF repudia ataques de senador ao superintendente do AM

Alexandre Saraiva, chefe da PF do Amazonas - Reprodução/TV Globo
Alexandre Saraiva, chefe da PF do Amazonas Imagem: Reprodução/TV Globo
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

16/04/2021 13h24

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) divulgou nota em repúdio aos ataques do Senador Telmário Mota (PROS-RR) contra a atuação da Polícia Federal no Amazonas. Em vídeos que circulam nas redes sociais Mota ofende e incita pessoas a não obedecerem às sanções determinadas pelo delegado Alexandre Saraiva, que até ontem era o superintendente da PF no estado e teve atuação intensiva contra o desmatamento e o corte ilegal de madeira.

O texto da ADPF destaca a necessidade de respeito às prerrogativas dos delegados da Polícia Federal, independentemente do poderio político ou econômico dos investigados.

"É inadmissível que integrantes do Governo Federal ou parlamentares exerçam pressão sobre a Polícia Federal. Caso o investigado não concorde com as providências adotadas pelo Delegado de Polícia, deve buscar, por meio de seus advogados constituídos, demonstrar as suas teses ou, em caso de indeferimento pela autoridade policial, recorrer ao Judiciário", defende a entidade.

A nota argumenta que o delegado é responsável pela aplicação da legislação vigente. "Se há pressões e intervenções que considere indevidas, deve tomar as medidas necessárias, ainda que duras", prossegue.

Apesar disso, a ADPF vai na contramão dos que relacionam a substituição de Alexandre Saraiva na superintendência do Amazonas a uma suposta punição por ele ter entrado com queixa-crime contra o senador Telmário Mota e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por dificultar a ação de órgãos de fiscalização ambiental.

"As modificações nos cargos comissionados da Polícia Federal são costumeiras sempre que se altera o comando da instituição. É prerrogativa do Diretor-Geral recém-nomeado formar a equipe que lhe pareça mais eficiente", alega o documento.

A entidade reitera, no entanto, a necessidade de que a investigação permaneça com o delegado que a conduz, conforme prevê a lei.