PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Oposição quer retomar protestos de rua contra Bolsonaro, apesar da pandemia

Protesto contra Bolsonaro em Belém - MARX VASCONCELOS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Protesto contra Bolsonaro em Belém Imagem: MARX VASCONCELOS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

24/05/2021 04h00Atualizada em 24/05/2021 10h12

As seguidas manifestações de bolsonaristas a favor do presidente da República e o prolongamento da crise sanitária estão levando integrantes de vários partidos de oposição a mudar de ideia e planejar atos contra o governo, mesmo em meio à pandemia de covid-19. O evento de ontem, no Rio, em que Jair Bolsonaro desfilou na companhia de milhares de motociclistas, reforçou esse sentimento. A coluna ouviu políticos de cinco legendas sobre o assunto.

"Nós somos a maioria e não podemos deixar que eles passem uma ideia falsa com esses atos", disse Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e que concorreu à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL. Ele é um dos organizadores do protesto contra o governo marcado para o próximo sábado, 29.

Para Boulos, apesar do risco que representa o coronavírus, não é mais possível esperar o fim da crise sanitária para voltar às ruas, já que não se sabe quando a crise sanitária vai ficar menos intensa. "Não vamos superar a pandemia com Bolsonaro no governo, a economia também não vai se recuperar sozinha. Temos que fazer como o povo da Colômbia está fazendo agora, ou como fizeram no Chile", acredita o psolista.

Quatro dos cinco integrantes dos diferentes partidos ouvidos pela coluna se preparam para retomar os protestos públicos, por entender que tanto na questão sanitária quanto na condução da economia a administração de Bolsonaro tem sido catastrófica.

Um dos poucos que prefere aguardar a pandemia arrefecer é o ex-presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). "Não podemos fazer como eles", opina, referindo-se às aglomerações formadas nas manifestações bolsonaristas.

Maia acredita que tudo aponta para um desgaste cada vez maior do governo. "A situação da economia é péssima. Além do desemprego, as pequenas empresas estão em situação cada vez mais difícil", aposta.

Fora o ex-presidente da Câmara, todos os políticos entrevistados falara se preparam para retomar as manifestações. A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, concorda que é hora de mostrar publicamente o descontentamento com o governo. "Vamos para as ruas, tomando todos os cuidados, usando máscara e mantendo o distanciamento", defende. A deputada Jandira Feghali (PcdoB-RJ) tem a mesma opinião.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que a legenda vai apoiar o protesto da próxima sexta contra o governo. "Vamos discutir ainda de que forma isso vai de dar", explicou.

Errata: o texto foi atualizado
*ERRATA: A coluna errou ao atribuir a João Campos, prefeito de Recife, a informação de que o PSB participaria das manifestações contra o presidente Bolsonaro. A fala de outro político -- João Daniel (PT-SE) -- foi atribuída a ele.