PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Para general, idolatria a Bolsonaro está dividindo militares da reserva

General Paulo Chagas - Sergio Lima/Folhapress
General Paulo Chagas Imagem: Sergio Lima/Folhapress
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

07/06/2021 11h45

O general reformado Paulo Chagas publicou hoje em sua página no Facebook um extenso texto intitulado "Uma idolatria, cega e pouco inteligente, está dividindo a reserva das Forças Armadas". Na publicação, Chagas afirma que uma parte dos colegas inativos está contaminada por "mitomania" e "pelo culto à personalidade de um homem cuja cultura, militar e acadêmica, não ultrapassa o nível da sola dos seus sapatos" e que não tem compromisso com o Brasil.

"Jair Bolsonaro, a quem eles parecem idolatrar e que tratam como o 'Salvador da Pátria' (como se isso existisse), é a antítese do Soldado", diz o general em seu texto. "Disciplina e hierarquia são coisas que Bolsonaro, quando em seu curto tempo no serviço ativo ou mesmo fora dele, nunca respeitou devidamente ou entendeu a importância"

O oficial se penitencia por ter feito campanha para o atual presidente e por tê-lo defendido em várias oportunidades. "Guardo na consciência o peso do erro de ter acreditado que os bons homens que o acompanharam e o orientaram na formação da melhor parte de seu ministério e na formação de seu 'protocolo de intenções' seriam capazes de controlá-lo e orientá-lo durante o governo".

Chagas lamenta os ataques ao general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro, por suas severas críticas ao governo federal. Para o autor da publicação, esses colegas reformados que atacam Santos Cruz desdenham da verdade "como cegos que não querem enxergar".

Depois de afirmar que Bolsonaro não cumpriu o plano de governo anunciado na campanha "por interesses pessoais e familiares", o general constata "no âmbito dos inativos das Forças Armadas, uma divisão provocada pela idolatria a um despreparado mal-intencionado". Para ele, esse racha tem se agravado, o que agradaria aos "extremistas de esquerda" que querem voltar ao poder.

O oficial termina o texto fazendo votos para que os comandantes militares mantenham essa divisão fora dos navios, quartéis e bases aéreas.