PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Lei de Cotas deve ser renovada automaticamente, diz Frei David

Frei David Raimundo dos Santos - Divulgação
Frei David Raimundo dos Santos Imagem: Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

24/01/2022 15h07

O texto da Lei de Cotas para estudantes negros nas universidades públicas prevê que este ano haverá uma avaliação da experiência. Só a partir dessa análise seria decidida a renovação ou a mudança da lei. Um dos maiores defensores dessa ação afirmativa, o frei franciscano David Raimundo dos Santos, coordenador da Educafro, defende a renovação automática.

"Nos artigos 6º e 7º da lei está definido que o Ministério da Educação deveria apresentar a deputados e senadores um estudo altamente qualificado sobre o que ocorreu em todas as universidades federais. Mas Temer e Bolsonaro cortaram a verba para essas pesquisas", explicou Frei David à coluna.

"Para a Educafro, não há como o Congresso fazer nada, a não ser renovar por mais dez anos", diz ele. O religioso diz que se houver alguma decisão diferente, a entidade irá contestar no STF.

David garante que a própria Educafro é interessada em que sejam feitas pesquisas sobre o assunto, já que as bolsas para moradia e alimentação prometidas pelo governo não foram concedidas.

"Muitos estudantes que entram no ensino superior por cotas abandonam por causa das dificuldades econômicas, e na pandemia esse contingente dobrou", relata o frei, para justificar a importância dessas bolsas.

Por enquanto, a ideia de renovação automática da lei é bem recebida no Congresso. Foi aprovada em comissão da Câmara uma proposta que transfere de 2022 para 2032 a revisão da lei. O texto aprovado é do deputado Fábio Trad (PSD-MS).

Não há data prevista para a decisão final.