PUBLICIDADE
Topo

Entendendo Bolsonaro

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro leva Brasil ao paroxismo da ignorância e do caos

Presidente Jair Bolsonaro em declaração à imprensa sobre o novo auxílio emergencial - Isac Nóbrega/Presidência da República
Presidente Jair Bolsonaro em declaração à imprensa sobre o novo auxílio emergencial Imagem: Isac Nóbrega/Presidência da República
Entendendo Bolsonaro

Esta é uma coluna coletiva que pretende contribuir, sob diversos olhares ? da comunicação à psicanálise, da ciência política à sociologia, do direito à economia ?, para explicar o fenômeno da nova política. O "Entendendo Bolsonaro" do título indica um referencial, mas não restringe o escopo analítico. Toda semana, pesquisadoras e pesquisadores serão convidados a trazer suas reflexões. O compromisso é com um conteúdo acadêmico traduzido para o público amplo, num tom sereno que favoreça o debate de ideias. Convidamos você a nos acompanhar e a interagir conosco.

Colunista do UOL

19/04/2021 00h59

* Cesar Calejon

Somente nas últimas oito semanas, um bombeiro incendiou a sede de um jornal no interior de São Paulo (porque o veículo defendia medidas de isolamento social) e dois policiais militares tiveram surtos psicóticos, em Salvador e São Paulo, de forma a ameaçarem os cidadãos que eles deveriam proteger.

Ao praticarem os crimes, os três evocaram teorias conspiratórias avançadas pelo bolsonarismo, o que eleva as atuais ameaças da extrema direita à vida social brasileira a um nível jamais visto, se considerarmos, ainda, que civis também têm dado demonstrações de psicopatia, formalizando ameaças e invadindo instituições da República, enquanto o bolsonarismo segue estimulando o armamento da população.

Existem, fundamentalmente, algumas estradas pelas quais Bolsonaro vem conduzindo o país, no começo do século XXI, ao paroxismo da ignorância e do caos: a militarização, a milicianização, a evangelização e, consequentemente, a negação absoluta da política institucional brasileira.

Nesse ponto, faz-se necessária uma distinção entre os conceitos de militarização e milicianização da política, ambos muito presentes no Brasil atualmente: o primeiro, para os propósitos deste artigo, traduz o movimento de participação cada vez maior de delegados, policiais, cabos, bombeiros e militares em geral na política institucional do país, o que é perfeitamente constitucional e expressa certos anseios da população no que tange a segurança pública.

Já o segundo é sobre a também crescente presença de grupos paramilitares e estruturas ilegais, que atuam por meio da violência e coerção, o que oferece margem para eventos como os citados acima e caracteriza diversos crimes previstos na Lei brasileira.

Dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre os registros de candidaturas às prefeituras e às câmaras municipais em 2016 e em 2020 apontaram que o número de candidatos com títulos militares para as prefeituras no Brasil saltou de 53, em 2016, para 243, em 2020, aumento de mais de 300% e muito acima do acréscimo geral de candidatos, que foi de apenas 18%. A presença de militares em cargos comissionados no governo federal também explodiu entre os anos de 2013 e 2020.

Outro dado que indica um ambiente social mais tenso e a redução do debate público: até o fim de setembro de 2020, as mortes e agressões contra políticos somavam 112 vítimas, com execuções que foram realizadas até durante transmissões ao vivo via internet e centenas de casos de intimidação.

Somente na última semana de janeiro deste ano, quatro parlamentares do PSOL sofreram ameaças e atentados na cidade de São Paulo e em outras partes do país.

As residências das covereadoras Samara Sosthenes e Carolina Iara foram atingidas por disparos de arma de fogo e, felizmente, ninguém foi ferida. A vereadora de São Paulo Erika Hilton registrou um boletim de ocorrência após ser ameaçada, em seu próprio gabinete, por um homem que portava uma bandeira e máscara com símbolos cristãos. Taís Lane dos Santos, que foi candidata a vereadora nas eleições municipais de 2020, foi agredida física e verbalmente por um sargento da Polícia Militar em Rio Largo, Alagoas, o que denota os mesmos métodos utilizados pelas milícias cariocas e máfias em geral.

Em dezembro de 2020, reportagem da Pública revelou um escândalo na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), destacando que pelo menos quinze servidores da agência haviam sido colocados em ministérios como o da Economia, Infraestrutura, Saúde e Casa Civil, por exemplo. Fontes internas afirmaram que havia centenas de agentes espalhados pelos ministérios da gestão bolsonarista e que Alexandre Ramagem, então diretor da Abin, haveria declarado abertamente que a intenção era criar uma estrutura semelhante ao que foi a Comissão Geral de Investigação (CGI), durante a ditadura militar no Brasil.

Além disso, o número de inquéritos abertos na Polícia Federal com base na Lei de Segurança Nacional, portaria que foi criada na ditadura militar, vem aumentando nos últimos anos. Foram dezenove, em 2018, vinte e seis, em 2019, e cinquenta e um, em 2020. Aumento de quase 270% em dois anos.

A ausência do debate, a falta de pluralidade e a promessa de ordem são características tanto das organizações militares legais como dos grupos milicianos e das estruturas aparelhadas ou totalmente paralelas ao Estado. Trata-se de um traço muito característico do próprio bolsonarismo.

A filosofia militar é organizada com base em disciplina, hierarquia e rigidez, enquanto a proposta miliciana baseia-se na intimidação, na coerção e na violência. Ambas, contudo, prometem impor a ordem de forma enérgica e vigoram em ambientes nos quais a troca de ideias, os recursos básicos de infraestrutura social (saúde, moradia, alimentação, educação, lazer e segurança, principalmente) e a diversidade foram reduzidas ou anuladas, o que também fortalece a posição do dogma religioso no cerne da vida social brasileira.

Conforme eu abordo no livro "A ascensão do bolsonarismo no Brasil do Século XXI", o dogma religioso, mais precisamente considerando a notória adesão de diferentes correntes e grupos evangélicos, foi fundamental à eleição de Jair Bolsonaro em outubro de 2018.

Desde então, o processo de expansão desses grupos evangélicos em todas as dimensões da vida social, política e econômica foi ainda mais catalisado. Alguns pontos centrais ajudam a refletir sobre esta inflexão: a hierarquia, a multiplicação celular e a facilidade de ascensão social presentes na proposta neoevangelista como ela está organizada no país em 2021.

Evidentemente, as organizações hierárquicas das igrejas evangélicas variam de acordo com cada grupo e ramificação histórica. Em linhas gerais, contudo, existe uma estrutura rígida, determinada por ordem de importância: apóstolo, bispo, pastor, presbítero, ministro, coordenadores e líderes de células, obreiros e fiéis.

Apesar das primeiras posições desta pirâmide serem ocupadas, invariavelmente, pelas figuras centrais de cada movimento, e de oferecerem poucas possibilidades de mobilidade sucessória, os cargos inferiores do arranjo podem ser acessados com muito mais facilidade, o que potencializa o caráter de multiplicação celular dos grupos.

No Brasil, a Igreja Católica, por exemplo, reúne os seus seguidores somente dentro das igrejas. Os padres são eclesiásticos, com formação em teologia e que falam uma linguagem cada vez mais distante da população em geral. Na igreja evangélica, qualquer cidadão pode se tornar um líder de célula em questão de meses após o ingresso na entidade. Esse novo membro, que na maioria dos casos não precisa de nenhuma formação prévia, passa a reunir a comunidade dentro da sua própria casa e promove a multiplicação desta célula como orientação formal de desenvolvimento da doutrina.

Soma-se à equação o fato de que o televangelismo é muito mais um fenômeno da comunicação social de massa, político e econômico do que de caráter religioso, propriamente. Todos os principais pastores evangélicos que promoveram a ascensão do bolsonarismo em 2018 transmitem as suas ideias por meio da televisão aberta e da internet. Alguns são proprietários de veículos de comunicação hegemônicos e figuram na lista de bilionários da revista Forbes.

Assim, nenhuma outra área da atuação social brasileira oferece uma oportunidade tão rápida, segura e promissora como projeto de vida, principalmente nas regiões mais pobres do país, nas quais o Estado é totalmente ausente. Além disso, as igrejas são isentas de impostos, arrecadam os dízimos por deliberação dos fiéis que as pagam, e são capazes de estabelecer, sem nenhuma forma de contestação ou abertura ao debate, as narrativas sociopolíticas que mais lhes interessam em determinada ocasião.

Por esses motivos, diversos estudos projetam que o Brasil poderá se tornar um país de maioria evangélica ainda nessa década, organizado de forma cada vez mais homogênea e intolerante com a diversidade do seu próprio povo, principalmente considerando a forma como essas filosofias rechaçam a participação da comunidade LGBTQIA+, mulheres, pretos e pardos nos espaços de poder.

Portanto, conforme já abordado nesta coluna, na tentativa de evitar a derrota eleitoral que vem se desenhando para 2022, o bolsonarismo leva a cabo o seu projeto de destruição, ancorado na celebração do caos e da ignorância como virtudes para inviabilizar o debate.

Isso representa a transformação da política na guerra e no conflito sem mediação, jogando o país numa tempestade perfeita em tempos de pandemia. Não há limites para esta máquina de destruição bolsonarista, de maneira que impedi-la imediatamente pelas vias constitucionais é tarefa urgente para os brasileiros.

* Cesar Calejon é jornalista com especialização em Relações Internacionais pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e mestrando em Mudança Social e Participação Política pela Universidade de São Paulo (EACH-USP). É, também, autor do livro "A Ascensão do Bolsonarismo no Brasil do Século XXI" (Lura Editorial).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL