PUBLICIDADE
Topo

Diogo Schelp

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaristas, antes anticorrupção, normalizam rachadinhas e falcatruas

Presidente com três de seus filhos: Flávio, Eduardo e Carlos Bolsonaro - Reprodução
Presidente com três de seus filhos: Flávio, Eduardo e Carlos Bolsonaro Imagem: Reprodução
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

23/09/2021 16h15

Certo dia, tempos atrás, quando o governo era outro, este colunista estava em um táxi a caminho da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo para palestrar a respeito do papel da imprensa no combate à corrupção.

No percurso, fui escutando a taxista reclamando que vivíamos em um país de corruptos e dizendo que a solução só podia ser exterminar todo mundo e repovoar o Brasil.

Enquanto ela falava, fiquei pensando no quanto suas palavras destoavam de sua conduta como motorista: em momento algum ela parou em faixas de pedestre quando havia alguém querendo atravessar. Afinal, a deslegitimação das leis é o primeiro passo para uma cultura da corrupção.

Um dos fatores que empurram as pessoas para uma conduta corrupta é a percepção de que se trata de algo que todos fazem — uma atitude "normal", portanto. Há um pacto coletivo implícito, em que o sentimento de culpa individual por fazer algo errado ou ilegal se dilui no comportamento do grupo.

Não dar preferência a um pedestre na faixa é infração punível com multa e pontos da carteira de motorista, mas quase ninguém respeita a regra. Pedestres aceitam esse pacto, tanto que agradecem surpresos quando alguém lhes dá a preferência, e autoridades de trânsito não se dão o trabalho de fiscalizar.

De maneira similar, o argumento de que "isso é normal" e "todos fazem" tem sido usado por bolsonaristas para justificar ou minimizar as impressionantes revelações de desvio de dinheiro público por parte da família Bolsonaro através do confisco do salário de funcionários fantasmas.

"Essa prática é muito comum, mas só os filhos do presidente estão sendo investigados", escutei recentemente de um defensor ferrenho de Jair Bolsonaro. Segundo ele, portanto, estaria havendo uma perseguição política aos Bolsonaro.

Primeiro, o fato de ser comum não significa que um crime não deva ser investigado e punido. Na verdade, como no caso do desrespeito à faixa de pedestre, justamente por ser comum é que se deve aumentar a fiscalização.

Segundo, os Bolsonaro não são os únicos sob escrutínio por terem embolsado parte significativa do salário de assessores que nunca foram trabalhar. Há dezenas de deputados e ex-deputados em pelo menos oito estados sendo investigados pela prática da rachadinha.

Em 2018, Jair Bolsonaro recebeu o voto de muitos brasileiros que consideravam a pauta anticorrupção a mais importante para o país, a partir da qual todos os outros problemas se resolveriam.

Uma parcela significativa desses eleitores se desiludiu, ao perceber que a agenda anticorrupção nunca foi prioridade do novo presidente, e se descolou do bolsonarismo. Outros permanecem fieis, apegados à agenda supostamente conservadora e à crença de que o comunismo ameaça o Brasil.

A fidelidade ao bolsonarismo, no entanto, exigiu um ajuste de discurso na questão ética. De um lado, foram escolhidos novos alvos para a pecha de corruptos (os ministros do STF, por exemplo). De outro, práticas corruptas por excelência, como a rachadinha, quando praticadas por familiares do presidente ou pelo próprio, foram normalizadas.

Esquemas fraudulentos como os que a CPI da Covid-19 no Senado encontrou no Ministério da Saúde são chamados de "narrativas", como o faz frequentemente o senador Marcos Rogério (DEM-RO), e desprezados com a justificativa de que o pagamento de propina não se concretizou.

Como se fosse preciso atropelar o pedestre para que o desrespeito à sua prioridade na faixa seja considerado uma infração.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL