Fernanda Magnotta

Fernanda Magnotta

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Ataques terroristas do Hamas contra Israel são apenas a ponta do iceberg

O conflito entre Israel e Palestina é, sem dúvida, um dos mais complexos dos nossos tempos.

Os ataques terroristas perpetrados pelo Hamas nesse fim de semana contra israelenses são apenas a ponta de um iceberg muito mais profundo do que muitos desavisados podem supor. A tensão, que já dura décadas, envolve não apenas questões territoriais e religiosas, mas diversos interesses econômicos e projetos de poder específicos.

Aos atores envolvidos há, em jogo, objetivos políticos, busca por maior influência na região, e a tentativa de impactar o status quo de uma guerra que às vezes se arrasta sem alarde, e às vezes ocorre sob o testemunho de todo o planeta.

Analisar o conflito, portanto, é uma missão delicada e que requer repertório especializado, olhar sensível, distanciamento mínimo e objetividade máxima. É preciso ter capacidade de compreender fenômenos multifacetados, cujas variáveis se sobrepõem e também se contradizem.

A guerra é, por si, incômoda, e não nos beneficiamos de análises feitas por quem se coloca "na torcida".

Em um mundo de paixões desenfreadas, as reflexões sobre o caso Israel-Hamas naufragam quando se perdem em simplificações ideológicas e na flexibilização moral "ao gosto do freguês".

Deixo a reconstrução do contexto histórico, a análise das motivações, e as implicações desse enfrentamento, a critério de tantos colegas mais especializados na região. É um ato de honestidade intelectual e de responsabilidade não eclipsar a voz de quem dedicou uma vida toda a compreender e explicar com sofisticação algo tão difícil.

De minha parte, contribuo, nesse momento, com uma problematização que vem no formato de três questionamentos que, penso, todos deveríamos fazer. Eles valem para os atos desse fim de semana, mas não se restringem a eles:

  • Como se constrói a autoridade de quem fala em nome de um povo?
  • A violência é um meio legítimo de fazer política?
  • A quem interessam o caos e a insegurança?
Continua após a publicidade

Dizem os sábios que é muito mais importante ter dúvidas do que certezas. Para mim, essas são, no momento, as perguntas realmente difíceis de responder.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes