Topo

Jamil Chade


Itamaraty ocupa universidades no exterior para frear críticas a Bolsonaro

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

08/11/2019 16h43


O Itamaraty envia seus diplomatas no exterior para ocupar espaços nas universidades estrangeiras em debates acadêmicos que tratem do governo de Jair Bolsonaro.

Nesta semana, pelo menos dois eventos diferentes num centro universitário suíço foram marcados pela presença de representantes do Planalto. Os diplomatas foram enviados para questionar acadêmicos e convidados das instituições, além de fazer propaganda dos planos do governo. A coluna foi informada de que a presença do governos nos debate acadêmicos foi uma instrução de Brasília.

Nesta sexta-feira, três lideranças indígenas foram convidadas para apresentar a situação do Brasil num seminário no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra. O tradicional local formou nomes como Kofi Annan e parte da elite dos intelectuais no campo das relações internacionais.

No centro do debate estava a ameaça sofrida pelos grupos indígenas, a preservação da floresta e o desmonte das estruturas sociais do governo Bolsonaro. Para o grupo de lideranças indígenas, há um "genocídio" dos povos tradicionais no país.

Ao terminar a apresentação do grupo, um diplomata brasileiro que estava na plateia pediu a palavra para contrapor as informações apresentadas pelos indígenas. O representante reconheceu a "luta centenária" dos indígenas e disse que trataria o tema de forma respeitosa. Mas lendo um texto preparado, o representante indicou que "o Brasil tem sido um ator importante nos fóruns internacionais, também na proteção de direitos dos povos indígenas".

Segundo o diplomata, de fato houve um declínio da população indígena na primeira metade do século 20. Mas, a partir da metade do século, há um novo crescimento. Hoje, esse número seria de cerca de um milhão de pessoas. "Eu fico preocupado quando ouço a palavra genocídio. Ela envolve questões técnicas e políticas muito graves, com desdobramentos sérios", disse. Para ele, não faria sentido a existência de um genocídio e de aumento de população.

Outro aspecto questionado pelo diplomata se refere à existência de 600 terras indígenas demarcadas, ocupando 12,5% do território nacional.

Kretâ Kaingang, um dos participantes do seminário, pediu para responder. "Hoje somos 1 milhão com 12% do território. Mas temos 43% do território brasileiros que são dos ruralistas, em propriedades privadas onde está a soja e o boi", disse.

Para ele, o genocídio que denunciam é o do fim das políticas publicas e da decisão de não mais demarcar. "

Antes, ele havia denunciado a morte de Paulo Paulino Guajajara, no início da semana. "Estamos viajando pela Europa e pensávamos que teríamos uma trégua", disse.

Ao público, ele negou que tenha um partido, por questionar o governo. "Não existe essa coisa de esquerda ou direita. Eu fui uma encrenca com Lula e com Dilma. E vou ser ainda mais com Bolsonaro", declarou.

A fala do representante do governo também foi respondida por Celia Xakriabá, outra liderança indígena convidada pela universidade. Segundo ela, existem 140 indígenas mortos desde o início do governo. "É um genocídio legislado, com a autorização do governo. Não vamos nos calar diante desse programa anti-humanitário", disse.

As respostas das lideranças foram amplamente aplaudidas.

Segundo ela, há um "novo projeto de colonização" liderado pelo governo Bolsonaro. "Viemos denunciar um projeto de execução de vidas e genocida", afirmou. "Um dos calibres que nos mata é o 17, do PSL, que continua executando nossas vidas", insistiu. "O Brasil não é só verde e amarelo. É também vermelho do sangue indígena", completou.

Essa não é a primeira vez que o governo toma tal postura no âmbito universitário e a ordem de Brasília é a de tentar não deixar nenhum evento sem uma resposta.

Nesta semana, num evento universitário em que a antropóloga Susanna Hecht fez um seminário acadêmico sobre a situação na Amazônia, diplomatas brasileiras da missão do país junto à OMC também foram enviados para questionar especialista. E acabaram dominando praticamente todo o tempo do debate.

Ao terminar seu discurso de apresentação, Hecht foi interpelada por um representante do Itamaraty que pediu a palavra para explicar as ações do governo. A mediadora tentou cortar o discurso que o diplomata fazia, sem sucesso.

Uma segunda pessoa, então, pediu a palavra na plateia. Tratava-se de mais um membro do Itamaraty, questionando a acadêmica. Para a surpresa da mediadora do seminário, uma terceira pessoa pediu a palavra. Uma vez mais, era um representante do governo brasileiro, desta vez do Ministério da Agricultura. Juntos, os três representantes praticamente dominaram todo o tempo de debates.

Enquanto um deles falava, o outro tirava fotos, que depois foram divulgadas nas redes sociais oficiais do Itamaraty.

A atitude do Itamaraty, enviando três representantes para o evento, chamou a atenção da universidade que, para os demais eventos, programou medidas para evitar que o governo voltasse a repetir a ação coordenada. Vídeos passaram a ser proibidos, salvo por parte dos organizadores ou da imprensa.

Queixa

Nesta sexta-feira, os líderes indígenas apresentaram ainda à cúpula do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos denúncias contra o governo brasileiro por suas políticas ambientais e de proteção de reservas indígenas.

A conversa entre os líderes e a ONU levou a representante da entidade a se emocionar diante dos relatos. Entre as informações apresentadas estava o número de mortes de indígenas nos últimos meses. Segundo eles, o assassinato de Paulo Paulino Guajajara foi o 140º assassinato desde 2018.

A esperança dos líderes indígenas é de que a entidade possa pressionar o governo brasileiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL