PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

1 ano da explosão: arroz prometido por Bolsonaro ainda não chegou ao Líbano

Criança ferida após explosão na região portuária de Beirute, em hospital na capital do Líbano - IBRAHIM AMRO/AFP
Criança ferida após explosão na região portuária de Beirute, em hospital na capital do Líbano Imagem: IBRAHIM AMRO/AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

04/08/2021 04h00

Resumo da notícia

  • Itamaraty garante que primeira remessa ocorre em meados de outubro
  • ONU aponta que metade do país vive abaixo da linha da pobreza
  • Há um ano, explosão no porto de Beirute deixou mais de 200 mortos e 6 mil feridos

A promessa do presidente Jair Bolsonaro de que iria enviar 4 mil toneladas de arroz para a população libanesa, nos dias que se seguiram à explosão em Beirute, ainda não foi concretizada. O Itamaraty garante, porém, que o primeiro carregamento começará a ser realizado a partir de meados de outubro.

Nesta quarta-feira, a comunidade internacional marca um ano da tragédia que deixou mais de 200 mortos, 6 mil feridos e uma parcela da cidade destruída, depois de um incêndio no porto da capital.

Poucos dias depois do desastre de 4 de agosto de 2020, o ex-presidente Michel Temer, descendente de libaneses e escolhido por Bolsonaro para coordenar a ajuda brasileira, viajou com uma missão para Beirute para iniciar um processo de cooperação.

Naquele momento, foram enviadas 6 toneladas de insumos básicos de saúde, como antibióticos, corticoides, analgésicos, ataduras, seringas e cateteres. Além disso, um voo levou cerca de 100 mil máscaras cirúrgicas, 300 ventiladores pulmonares e alimentos.

Mas a principal doação viria na forma de uma ajuda alimentar, com o envio prometido de 4 mil toneladas de arroz, o que até agora não foi realizado.

Procurado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento explicou que "o processo da doação das 4 mil toneladas de arroz para o Líbano encontra-se em andamento".

"Os leilões para a entrega do produto beneficiado no porto de origem - Rio Grande (RS) - já foram efetuados pela Conab", disse. "O estágio atual é de ajuste quanto às datas de embarque, a partir do porto acima mencionado", afirmou.

"O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por meio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), está conduzindo o assunto, pois é a responsável pela condução do processo do transporte marítimo do porto de origem até o país de destino", disse.

Já o Itamaraty garantiu que o primeiro carregamento está sendo organizado para que possa levar mil toneladas em outubro.

"Assim que formalmente aceita a doação humanitária brasileira ao Líbano, foram tomadas as providências para seu envio", explicou o Ministério das Relações Exteriores.

"Primeiramente, foi assegurada a reserva de 4 mil toneladas de arroz em casca nos estoques públicos brasileiros junto à CONAB e ao Ministério da Agricultura", indicou. "Em seguida, foram realizados contatos com as Nações Unidas, com vistas a obter apoio operacional e logístico para o envio marítimo da carga, com recursos financeiros do Governo brasileiro", explicou o Itamaraty.

"Por sua vez, a CONAB realizou leilão público para a troca do arroz em casca por arroz beneficiado longo fino Tipo 1, no padrão aceito pelo governo libanês. O primeiro leilão público resultou deserto, mas o segundo, de 13/05/2021, teve êxito, habilitando 3 empresas gaúchas e 1 paranaense a fornecer mil toneladas cada uma", afirmou a diplomacia.

"A operação também foi coordenada com o lado libanês, responsável pela operação local de recebimento portuário, armazenamento e distribuição das cargas enviadas, sem cobranças de impostos ou taxas", disse o governo.

"Além disso, as disponibilidades de navios e de contêineres para transporte de alimento sofreram impacto por conta da pandemia da COVID-19. No momento, as Nações Unidas estão reservando e contratando os navios e os contêineres para realizar quatro embarques desse arroz beneficiado, em sacas de 50 kg, a partir do porto do Rio Grande (RS)", destacou.

Segundo o Itamaraty, o primeiro carregamento, de mil toneladas, partirá para o porto de Beirute em 9 de outubro. "Os demais, também de mil toneladas cada, nas três semanas seguintes", garante as autoridades.

Pobreza e fome

Num país ainda longe de estar recuperado da explosão, Beirute convive com a pobreza e a fome. De acordo com o Programa da ONU para a Alimentação, metade da população hoje está abaixo da linha da pobreza. Já 90% dos refugiados sírios que representam 25% da população do país atravessam uma situação de insegurança alimentar.

A desvalorização da moeda e da inflação tornaram alimentos inacessíveis, num país que importa praticamente tudo.

Num comunicado, o alto comissariado da ONU para Direitos Humanos também alertou para a crise.

"Inicialmente, houve um poderoso espírito de solidariedade nacional à medida que todos os elementos da sociedade se uniram em resposta, e o Governo iniciou os procedimentos judiciais", disse a ONU. "Mas 12 meses depois, as vítimas e seus entes queridos ainda estão lutando por justiça e verdade. As investigações parecem ter estagnado, em meio a uma preocupante falta de transparência e de responsabilidade", alertou a entidade.

"Enquanto o desespero se aprofunda e a raiva aumenta no Líbano, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos Michelle Bachelet está hoje enfatizando a necessidade urgente de que o governo libanês assegure uma investigação transparente, eficaz, completa e imparcial sobre o que aconteceu em agosto passado e que responsabilize os responsáveis", disse.

"A Alta Comissária também está pedindo às autoridades que defendam o direito das vítimas a uma reparação", completou.