PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Gesto de chanceler nos EUA gera indignação e revolta no Itamaraty

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

23/09/2021 04h00Atualizada em 24/09/2021 09h44

Se o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, dominou as manchetes da imprensa brasileira nos últimos dias por fazer um gesto obsceno a manifestantes em Nova York, ele não foi o único no governo de Jair Bolsonaro a adotar uma postura polêmica. No carro que levava Queiroga, outro ocupante era o chanceler Carlos França que, no momento de confrontar as pessoas que protestavam nas ruas, também reagiu e fez um gesto que foi interpretado como uma suposta "arminha" em direção às pessoas.

A atitude foi recebida com indignação por parte do corpo diplomático, que esperava de França um comportamento mais moderado. Fontes com contatos próximos ao chanceler indicaram, porém, que não houve intenção de imitar um gesto de arma. O que ele supostamente estava fazendo era uma referência para que alguém subisse ao carro onde estavam.

Internamente, porém, o gesto acabou mandando uma mensagem dúbia, dando margens para interpretações.

O chanceler substituiu Ernesto Araújo no comando do Itamaraty, depois que o primeiro escolhido para chefiar o ministério no governo de extrema direita abriu uma crise com diversos grupos políticos.

Em colapso, inclusive administrativo, o Itamaraty via na escolha de França uma esperança de redução da ideologização da política externa e o fim do sequestro da diplomacia pela ala mais radical do bolsonarismo.

E, de fato, o novo chanceler tentou resgatar alguns dos principais pilares da diplomacia brasileira, como o apoio ao multilateralismo e a busca por alianças em todos os continentes. Mas sempre pairou a dúvida se, de fato, um diplomata com pouca experiência de comando e de formulação de política externa teria condições de liderar o Itamaraty. O diplomata havia sido escolhido pelos aliados mais próximos do presidente, entre ele seu filho Eduardo Bolsonaro.

Também pairavam dúvidas sobre a real influência de França na condução da diplomacia, diante da sombra de personagens como Eduardo Bolsonaro e as ligações com o movimento ultraconservador americano.

Não por acaso, quando as imagens de França fazendo "arminha" foram divulgadas, a reação interna no corpo diplomático foi de uma mistura de decepção e constrangimento.

Pelo menos duas incoerências foram destacadas. A primeira: o fato de um diplomata cuja missão é contraditória a uma guerra ter usado justamente uma arma para responder aos manifestantes. A segunda incoerência: fazer esse gesto em Nova York e às vésperas da abertura da reunião anual da ONU, organismo criado para tentar silenciar os tambores da guerra.

Uma parcela dos diplomatas, na condição de anonimato por temer serem punidos por comentários, indicaram que o sentimento do Itamaraty ainda é de "muita apreensão", além de "incredulidade" de que França tenha sido capaz de fazer o gesto.

Houve ainda quem se disse "decepcionado". "Embora soubéssemos quem o indicou, considerávamos que ele poderia procurar blindar o Itamaraty do radicalismo da extrema direita", explicou. "Ledo engano", lamentou.

"PCR negativo"

Nesta quarta-feira, o Itamaraty explicou que França suspendeu sua agenda de encontros em Nova York e que realizou um teste PCR para saber se estava contaminado pela covid-19. O resultado deu negativo e foi realizado depois que Queiroga havia anunciado que estava com o vírus.

Horas depois, porém, o Itamaraty divulgou um documento final de um encontro entre França e os chanceleres da Índia, Alemanha e Japão. Não foi esclarecido se o ministro brasileiro esteve no encontro de maneira virtual ou presencial.