PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Criticado por Bolsonaro, Tedros é reeleito para mais um mandato na OMS

Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS - Fabrice Coffrini/AFP
Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS Imagem: Fabrice Coffrini/AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

24/05/2022 12h21

Sem concorrente, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus foi reeleito nesta terça-feira, em Genebra, para um segundo mandato de cinco anos no comando da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Duramente atacado pelo então governo de Donald Trump e pelos aliados do presidente Jair Bolsonaro no Brasil por ter cedido às pressões da China no início da pandemia da covid-19, Tedros conseguiu sobreviver politicamente graças ao apoio que passou a receber dos europeus.

O presidente brasileiro chegou a dizer que não iria seguir as recomendações de Tedros já que, segundo Bolsonaro, ele não seria nem mesmo um médico. Na OMS, as recomendações são feitas por grupos com alguns dos maiores especialistas do mundo em saúde.

"Estou respondendo processo dentro e fora do Brasil e estou sendo acusado de genocídio por ter defendido uma tese diferente da OMS. O pessoal fala tanto da OMS, o diretor-presidente da OMS é médico? Não é médico, sabia disso?", disse Bolsonaro ainda em 2020.

Antes do ataque, ele já havia criado mal-estar com a manipulação de declarações de Tedros para justificar sua própria política, que vai na direção contrária às recomendações do órgão das Nações Unidas.

A OMS rebateu as críticas. Uma porta-voz da agência apontou para a "forte experiência" do etíope em relação à saúde pública e arrematou: "Convido a consultar a biografia do Dr. Tedros". Ministro da Saúde da Etiópia entre 2005 e 2012, o chefe da OMS é formado em biologia. Tem mestrado em Imunologia de Doenças Infecciosas pela Universidade de Londres, doutorado pela Universidade de Nottingham.

Após meses de mal-estar, o governo brasileiro voltou a dialogar com a OMS. Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, esteve com Tedros em Genebra.

Sua nomeação, de fato, foi uma iniciativa da França e Alemanha, que querem ocupar o vácuo em parte deixado pelos americanos na esfera internacional.

Ele também ganhou a simpatia de muitos países em desenvolvimento por colocar a questão do acesso às vacinas como um dos pontos centrais de seu discurso. Sua defensa da ciência e do multilateralismo no momento em que a pandemia ganhava proporções inéditas também resultou em uma certa estabilidade nos últimos meses.

Mas não faltaram acusações contra sua gestão, inclusive por parte de europeus, que querem que seu novo mandato tenha como epicentro uma reforma completa no sistema de controle de pandemias e nas operações da OMS.

Já em sua primeira eleição, em 2017, ele concorria contra o inglês David Nabarro e a paquistanesa Sania Nishtar. Mas estava sendo duramente criticado por ativistas de direitos humanos e ongs. Seu país é um dos regimes autoritários do continente africano e Tedros foi seu chanceler de 2012 a 2016. Antes, foi ministro da Saúde.

Mas, diante do conflito armado na Etiópia, Tedros tomou nos últimos meses uma postura crítica contra as autoridades do país. Segundo ele, a agência de Saúde da ONU sequer tem acesso às vítimas para a entrega de remédios.

A diplomacia etíope tentou evitar que ele fosse considerado para mais um mandato no cargo, acusando Tedros de estar se aproveitando da cadeira de diretor para "obter ganhos pessoais". O discurso do embaixador da Etiópia que o acusava foi interrompido pelo Conselho Executivo da OMS, alegando que aquele não era o tema a ser debatido.

Na primeira eleição de Tedros, que contou com o voto brasileiro, pesou o fato de que, desde 1948, jamais um africano liderara a OMS. Ele ainda se apresentava como uma pessoa que transformou a saúde de seu país, enquanto foi ministro dessa pasta entre 2005 e 2012. Mas, segundo observadores, também foi fundamental o fato de ele ter, naquele momento, a chancela da China.

Assumindo uma entidade com sua credibilidade duramente afetada, o representante do continente africano passou a ser alvo de duros ataques. Entidade como a Human Rights Watch o recriminam por fazer parte do núcleo duro do regime autoritário do país, acusado de violações de direitos humanos e repressão pela própria ONU. Um grupo de 20 entidades escreveu para a OMS pedindo que seu nome não fosse considerado.

Tedros ainda foi alvo de críticas quando escolheu Robert Mugabe para ser um dos embaixadores da OMS. A pressão foi tamanha que ele teve de desconvidar o líder africano.

Sua campanha em 2017 ainda contou com acusações de que ele tentou abafar três epidemias de cólera, enquanto foi ministro da Saúde. Desta vez, porém, ele foi o único candidato.