PUBLICIDADE
Topo

Josmar Jozino

Assassinato de ex-mulher de Marcola gerou a maior guerra interna no PCC

Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

22/12/2021 04h00

A advogada Ana Maria Olivatto, 45, foi dormir mais cedo na noite de 22 de outubro de 2002. Ela precisava acordar disposta, pois faria uma longa e cansativa viagem na manhã seguinte. A previsão era pegar a estrada e dirigir o Fiat Palio por 592 km de Guarulhos até Presidente Bernardes (SP).

O destino era o CRP (Centro de Readaptação Penitenciária), presídio de segurança máxima construído para abrigar em cela isolada, de castigo, integrantes de facções criminosas e presos autores de faltas graves no sistema prisional paulista. A unidade foi inaugurada em 2 de abril daquele ano.

Ana havia previamente agendado entrevistas com os prisioneiros José Márcio Felício, o Geleião, e César Augusto Roriz Silva, o Cesinha. Ambos eram os únicos entre os oito fundadores do PCC (Primeiro Comando da Capital) ainda vivos.

O carro de Ana já estava ligado naquela manhã de 23 de outubro. Ela se preparava para sair com o veículo da garagem do sobrado onde morava, no bairro Inocoop, em Guarulhos. Um homem e duas mulheres se aproximaram dela. A advogada ficou surpresa, mas não se assustou, pois conhecia os três.

A defensora encontrava-se sentada no banco do motorista. O homem sacou uma pistola calibre 45 e atirou praticamente à queima-roupa, duas vezes, na nuca dela. A vítima chegou a ser levada para o Hospital de Bonsucesso, em Guarulhos. Ela não resistiu aos ferimentos.

A notícia do assassinato correu rapidamente no sistema prisional paulista e nos meios policiais. Ana Maria Olivatto era ex-mulher de Marco Willians Herbas Camacho, 53, o Marcola. À época, ele ainda não era apontado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo como o líder máximo do PCC.

Os dois se casaram na Penitenciária de Araraquara (SP) no início de 1990. Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, irmão de Marcola e chamado no sistema prisional de Júnior, foi o padrinho. Anos depois, o casal se separou, Porém, ambos continuavam muito amigos.

olivatto - Cássio Roosevelt/Folhapress - Cássio Roosevelt/Folhapress
Ana Maria Olivatto, em fotografia registrada em frente à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, em 2001
Imagem: Cássio Roosevelt/Folhapress

Vingança certeira

Marcola ficou irado com o assassinato da advogada. A vingança aos matadores e mandantes do crime era tido como certa nas prisões dominadas pelo PCC. O Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), da Polícia Civil de São Paulo, assumiu a apuração do caso.

A facção criminosa tinha seus suspeitos. O nome principal era o de Aurinete Carlos Félix da Silva, a Netinha, mulher do preso Cesinha. As investigações conduzidas pelo delegado Ruy Ferraz Fontes, do Deic, caminhavam na mesma direção.

Tanto a turma de Marcola - que não era pequena nas ruas e nas prisões - quanto a Polícia Civil apuraram que Netinha tinha fortes motivos para mandar matar Ana, até então uma de suas melhores amigas. Por ser a mulher de um dos fundadores do PCC, ela podia passar a ordem sem questionamento.

E, segundo o Deic, foi isso que Netinha fez. A missão foi cumprida à risca pelo irmão dela, Lauro Gomes Gabriel, 40, o Ceará. Em 26 de novembro de 2001, ele, Júnior, irmão de Marcola, e outros 106 presos haviam fugido por um túnel da Penitenciária do Estado, no Carandiru, zona norte de São Paulo.

Ceará não teve tempo sequer de ficar escondido. A morte dele havia sido decretada. Ele foi assassinado com oito tiros em 4 de novembro de 2002 no Brás, região central de São Paulo. A vingança dos amigos de Marcola não ficou só nisso.

Na semana anterior ao assassinato de Ceará, Andréa Paredes Gomes, 43, a Lenita, mulher do preso Rodrigo Leonardo Paes, o Rodriguinho, foi morta a tiros. O marido ameaçado não resistiu às pressões na prisão e se enforcou no CRP de Presidente Bernardes.

Em 31 de outubro de 2002, Netinha sofreria outro duro golpe. A irmã dela por parte de pai, conhecida como Carolina ou Lili Carabina, de 25 anos, também foi morta a tiros. O crime aconteceu no Mandaqui, zona norte de São Paulo.

olivatto dois - Robson Ventura/Folhapress - Robson Ventura/Folhapress
Marca de bala na porta do carro da advogada Ana Maria Olivatto, assassinada em Guarulhos, em 23 de outubro de 2002
Imagem: Robson Ventura/Folhapress

Delator pediu "seguro"

Nas prisões, Geleião e Cesinha e todos os comparsas aliados deles também foram jurados de morte. Os dois fundadores do PCC acabaram expulsos da facção. Nas ruas, Netinha era caçada pelos "soldados" da organização criminosa.

Um dia antes de morrer, Ana Olivatto havia acompanhado no Deic o depoimento de Petronilha Maria de Carvalho Felício, mulher de Geleião. Ela foi presa em 20 de outubro na saída do CRP de Presidente Bernardes, onde tinha ido visitar o marido preso.

Petronilha foi acusada de ter coordenado um plano de atentado com carro-bomba na sede da Bolsa de Valores de São Paulo, no centro da capital paulista. O Deic e o Ministério Público conseguiram localizar o veículo e evitaram a tragédia.

Geleião, com medo de ser morto na cadeia, pediu "seguro". E para evitar que Petronilha ficasse presa, ele também decidiu fazer delação. Contou ao delegado Ruy Ferraz Fontes tudo o que sabia sobre as ações do PCC e sobre o assassinato de Ana Olivatto.

O fundador do PCC escreveu uma carta de seis páginas a qual a reportagem teve acesso. Ele delatou parceiros de crime e revelou detalhes de planos de atentados do PCC contra agentes públicos, fóruns, delegacias e postos policiais. Na carta, Geleião contou que Netinha mandou matar Ana e que Ceará cumpriu a ordem.

Para o delegado Ferraz Fontes, Geleião declarou no depoimento de 8 de novembro de 2002, que Aurinete mandou matar Ana porque a advogada iria contar para Cesinha que a mulher dele tinha sido fotografada com policiais em um bar e vinha maltratando parentes de presos do CRP de Bernardes.

marcola - Sergio Lima/Folhapress - Sergio Lima/Folhapress
Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado como líder do PCC, em fotografia de agosto de 2001
Imagem: Sergio Lima/Folhapress

Poder muda de mãos

Depois da morte de Ana e das delações de Geleião, o poder mudou de mãos no PCC. Segundo o Deic, Marcola assumiu a liderança da facção criminosa. Geleião e Cesinha fundaram outro grupo: O TCC (Terceiro Comando da Capital).

Os principais aliados de Cesinha e Geleião foram assassinados nas prisões paulistas. Netinha, a princípio, recebeu proteção policial. Depois saiu de cena e sumiu por uns tempos. Em 13 de agosto de 2006, ela visitou o marido pela última vez na Penitenciária 1 de Avaré.

Cesinha estava na cela com a mulher quando foi chamado por um preso. Ele não retornou mais. Foi assassinado com golpes de pau e estiletes na cabeça desferidos por um grupo de prisioneiros. O paradeiro de Netinha hoje é ignorado pelas autoridades policiais de São Paulo.

Em 10 de maio deste ano, Geleião morreu de Covid-19 no Hospital Penitenciário, na zona norte paulistana. Para o Ministério Público de São Paulo, Marcola, preso na Penitenciária Federal de Brasília, ainda é o chefe máximo do PCC desde novembro 2002.

As disputas por poder e dinheiro dentro da principal organização criminosa do Brasil são narradas na segunda temporada do documentário do "PCC - Primeiro Cartel da Capital", produzido por MOV, a produtora de documentários do UOL, e o núcleo investigativo do UOL.