PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Josmar Jozino

Beneficiária do Bolsa Família é suspeita de lavar R$ 23 milhões para o PCC

Elidiane Saldanha Lopes Lemos e o marido Ciro César Lemos, 44, estão foragidos, diz MP-SP - Divulgação
Elidiane Saldanha Lopes Lemos e o marido Ciro César Lemos, 44, estão foragidos, diz MP-SP Imagem: Divulgação
Josmar Jozino

Sobre o Autor - Josmar Jozino é jornalista desde 1985. Autor de quatro livros, sendo três sobre crime organizado entre eles, "Cobras e Lagartos", obra referência sobre a facção criminosa PCC que recebeu menção honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog em 2005

Colunista do UOL

12/04/2022 14h20

Elidiane Saldanha Lopes Lemos, 39, declarou ser beneficiária do antigo programa social Bolsa Família, destinado à distribuição de renda para pessoas carentes. Porém, ela tinha uma transportadora de veículos registrada em seu nome e é suspeita de ter lavado R$ 23,7 milhões para o PCC (Primeiro Comando da Capital), afirma o MP-SP (Ministério Público de São Paulo).

A Justiça decretou no domingo (10) a prisão preventiva de Elidiane e do marido Ciro César Lemos, 44, ex-presidiário condenado por tráfico de drogas e associação ao tráfico. Segundo o MP-SP, o casal está foragido.

O advogado Roberlei Cândido de Araújo disse que Elidiane e Ciro são inocentes de todas as acusações. Segundo o defensor, a verdade prevalecerá no decorrer do processo e todas as medidas necessárias estão sendo tomadas nas instâncias superiores para reverter esse quadro.

Transportadora perto de penitenciária

A empresa de Elidiane e Ciro, denominada Lopes Lemos Transportes, ficava situada nas proximidades da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP), onde a cúpula do PCC cumpria pena até fevereiro de 2019, quando foi removida para presídios federais.

venceslau - 21.nov.2018 - Jardiel Carvalho/Folhapress - 21.nov.2018 - Jardiel Carvalho/Folhapress
Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, onde ficam abrigados integrantes do PCC
Imagem: 21.nov.2018 - Jardiel Carvalho/Folhapress

A suspeita do MP-SP é a de que os chefões máximos do PCC tenham constituído a empresa para o casal, como forma de lavar dinheiro do tráfico de drogas, e também como estratégia para usar os veículos da transportadora como apoio logístico em uma possível ação de resgate de presos na P-2 de Venceslau.

O Ministério Público apurou que a transportadora foi constituída em 2015 com um capital social de R$ 300 mil. Em 24 de outubro de 2019, esse montante atingiu a cifra de R$ 3,6 milhões. Em 19 de maio de 2020, Lidiane foi retirada da sociedade e o capital foi redistribuído para Ciro.

No período de 2015 a 2019, Ciro movimentou R$ 2,3 milhões; Elidiane, R$ 1 milhão e a transportadora, R$ 20 milhões, totalizando R$ 23 milhões. A empresa do casal chegou a ter uma frota de 56 veículos, entre caminhões, tratores, semirreboques, carros e caminhonetes de luxo.

Atentados descritos em mensagens

O casal começou a ser investigado em 23 de julho de 2019, quando agentes penitenciários apreenderam um bilhete em poder de dois presos na cela 139, Pavilhão 1, da P-2 de Presidente Venceslau. Segundo o MP-SP, as mensagens falavam em atentados contra autoridades do sistema prisional.

Um dos alvos era o ex-diretor-geral do presídio, Luiz Fernando Negrão Bizzoto. Um dos trechos da mensagem dizia que "aquela mulher da transportadora" estava levantando o endereço dos servidores do sistema prisional marcados para morrer.

O serviço de inteligência das forças de segurança analisou o material apreendido na cela e chegou ao nome da transportadora e ao casal dono da empresa. Foi apurado também que Ciro ficou preso em Presidente Bernardes, em 2006, junto com a alta cúpula do PCC.

O casal foi denunciado à Justiça em 17 de novembro de 2021 pelos crimes de associação à organização criminosa e lavagem de dinheiro. O MP-SP requisitou a prisão preventiva dos acusados, mas o pedido foi indeferido na 3ª Vara Criminal de Presidente Venceslau.

O Ministério Público recorreu da decisão e desembargadores do Tribunal de Justiça, tendo como relator Mauro Devienne Ferraz, entenderam que a prisão preventiva é necessária porque o casal é acusado de cometer crime de natureza grave e permanente e ainda manifestou o interesse em sair do país.

As investigações apontaram ainda que Elidiane e Ciro levavam uma vida de luxo e costumavam fazer viagens internacionais para Miami e Orlando, na Flórida, Estados Unidos, e também para a Espanha, na Europa. O MP-SP suspeita que o casal esteja escondido na Bolívia.