PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Volta de Lula ao cenário eleitoral de 2022 anima até prefeito do Rio

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Reprodução / Internet
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Imagem: Reprodução / Internet
Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

21/03/2021 06h10

A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin de anular as condenações do ex-presidente Lula (PT) na Operação Lava Jato agitou os bastidores políticos e promete até uma possível aproximação com antigos aliados.

Na semana em que saíram as decisões, até o prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM-RJ), celebrou a possibilidade de Lula voltar a disputar as eleições. Em uma reunião com vereadores, o petista Lindbergh Farias chegou ao encontro comemorando e gesticulando com as mãos um "L" de Lula. Paes viu a cena, sorriu e, em clima amistoso, também fez o "L" com uma das mãos.

O ex-presidente Lula e Paes tinham uma relação próxima até 2016, quando o então juiz Sergio Moro disponibilizou gravações feitas de telefonemas de Lula. Em uma delas, Paes se solidarizou com Lula e disse que ele tinha "alma de pobre". Na mesma ocasião, o prefeito também citou a investigação do sítio de Atibaia e disse: "imagina se fosse aqui no Rio esse sítio dele, não é em Petrópolis, não é em Itaipava. É como se fosse em Maricá. É uma merda de lugar". O prefeito também se desculpou com a cidade depois disso.

Lula e Paes também já tiveram outras rusgas no passado. Em 2005, na época do mensalão, Paes chamou Lula de "chefe da quadrilha". Três anos depois, ao disputar a prefeitura, Paes se desculpou e o ex-presidente chegou a apoiar sua campanha. Os dois mantiveram uma relação próxima durante vários anos.

Líderes petistas dizem que a mudança no cenário político com a possibilidade de Lula disputar a eleição de 2022 fez com que diversos antigos aliados, de outros partidos, voltassem a procurar diálogo. "Os telefones de todo mundo não param de tocar. Muita gente quer se reaproximar", contou um dos líderes.

Os integrantes do PT, porém, também estão tentando planejar como farão para manter uma contraposição ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido), mas, ao mesmo tempo, evitar ficar expostos a ataques muito tempo antes da eleição.