PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

Na luta com Trump no meio-oeste, Biden repõe pandemia como tema da eleição

O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu adversário na corrida de 2020 pela Casa Branca, Joe Biden - Saul Loeb e Ronda Churchill/AFP
O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu adversário na corrida de 2020 pela Casa Branca, Joe Biden Imagem: Saul Loeb e Ronda Churchill/AFP
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na “Folha de S.Paulo”, onde foi redator, repórter, editor da coluna “Painel” e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro “Kosovo, a Guerra dos Covardes” (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas “É Notícia” e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário “What Happened to Brazil”, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada “Brasil em Transe”, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

02/09/2020 15h41

O presidente Donald Trump e o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, travam neste momento da campanha uma batalha pelo meio-oeste americano. A dois meses das eleições, Trump e Biden concentram propagandas e atos de campanhas nessa região dos Estados Unidos.

O democrata tenta recolocar a pandemia como tema principal de campanha em detrimento de segurança pública, assunto que Trump quer destacar no confronto eleitoral.

O foco principal da disputa do meio-oeste está em três estados: Wisconsin, Michigan e Minnesota. Todos os três são considerados "swing states" (oscilantes ou pendulares), porque têm eleições disputadas, com possibilidade de virada por vitória apertada. Como a eleição é indireta nos EUA, obter delegados no Colégio Eleitoral é a principal meta dos candidatos.

Com exceção do Maine e Nebraska, quem vence nos demais 48 estados e no Distrito de Columbia, onde fica a capital, leva todos os delegados dessas unidades da federação. Trump teve vitórias apertadas contra Hillary Clinton em Wisconsin (0,77 ponto percentual) e Michigan (0,23 ponto percentual). A democrata derrotou o republicano com margem apertada em Minnesota (1,5 ponto percentual).

Trump esteve na terça em Wisconsin, estado com 10 delegados no Colégio Eleitoral. Biden fará campanha lá amanhã na mesma cidade, Kenosha, onde houve protestos recentes devido a mais um ato de brutalidade policial com um homem negro. Em 23 de agosto, um policial branco atirou em Jacob Blake sete vezes pelas costas.

No dia 26 de agosto, um adolescente de 17 anos, Kyle Rittenhouse, carregando ilegalmente um fuzil semiautomático, matou dois homens e feriu um terceiro durante uma noite de protestos em Kenosha. A polícia o acusa de homicídio e agressão.

O advogado de Rittenhouse alega legítima defesa, tesa difícil de ser sustentada ao ver dois vídeos sobre o que aconteceu, mas apoiada por Trump nesta semana.

Biden defende punição a policiais ligados à morte de Jacob Blake

Nesta quarta-feira, em discurso de Wilmington, cidade onde mora no estado de Delaware, Biden defendeu que os policiais envolvidos no incidente de Jacob Blake sejam responsabilizados penalmente. Blake está paralisado da cintura para baixo, segundo sua família. "Vamos claramente fazer justiça", disse o democrata.

Biden também voltou a dizer que, sem controlar a pandemia de coronavírus, a economia não voltará a crescer, como promete Trump. O democrata também repetiu que o presidente mente para o público americano sobre a pandemia e sobre os adversários políticos.

A campanha de Biden na internet e na TV levou ao ar anúncios críticos a Trump em Minnesota, estado que tem sido tradicionalmente democrata, mas que é considerado oscilante em 2020. Segundo o site "Real Clear Politics', Biden tem vantagem de 5,3 ponto percentual na média das pesquisas. O democrata marca 49,3% contra 44% do republicano. Minnesota controla 10 assentos no Colégio Eleitoral.

Biden planeja viagem para o Michigan, estado governado pela democrata Gretchen Whitmer, que é alvo de Trump pela resposta dura que deu à pandemia de coronavírus. Michigan possui 16 delegados no Colégio Eleitoral.

Guerra de narrativas: segurança X pandemia

O presidente teve sucesso ao mudar o principal tema de debate da campanha. Mas Biden voltou nesta quarta-feira a dedicar boa parte de seu pronunciamento seguido de entrevista ao tema da pandemia. Afirmou que Trump "não tem um plano" para a reabertura das escolas porque ele e seus auxiliares "não fazem claramente o trabalho deles na crise". Segundo Biden, "as escolas americanas deveriam reabrir" de modo seguro contra a covid-19.

"Senhor presidente, onde você está? (...) Deixe o Twittter e comece a negociar com os líderes do Congresso", criticou Biden, no contexto de retomar articulação para um novo pacote de ajuda a empresas e cidadãos afetados pela pandemia.

Trump alega que os americanos estarão mais inseguros num país governado Biden porque o democrata enfraquecerá a polícia, diminuindo a verba para o setor. É mentira, mas Trump a repete e Biden a nega diariamente.

É fato que Trump conseguiu atrair Biden para uma discussão sobre segurança pública. Mas o democrata deu o troco em discursos na segunda, na Pensilvânia, e hoje, em Delaware.

A pandemia é um ponto fraco do presidente. Segundo as pesquisas, dois terços dos americanos reprovam a forma como o republicano lida com a pandemia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.