PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Cultura lista "bolsonarices do dia" e vê "tendência autoritária" do governo

Andresa Boni apresenta o "Jornal da Cultura", que nesta quarta falou da "tendência autoritária" do governo Bolsonaro - Reprodução
Andresa Boni apresenta o "Jornal da Cultura", que nesta quarta falou da "tendência autoritária" do governo Bolsonaro Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

12/01/2022 23h34

Cada vez mais à vontade na crítica ao presidente Jair Bolsonaro, o "Jornal da Cultura" debateu nesta quarta-feira (12) o que chamou de "tendência autoritária do governo". E, com muita ironia, apresentou "as bolsonarices do dia".

A reportagem sobre a tendência autoritária do governo exibiu os dados de uma pesquisa sobre a edição de decretos presidências. Disse o repórter Sergio Colacino:

"O repertório usado pelo presidente Bolsonaro, do PL, para desgastar a democracia começa com a descaracterização de políticas públicas. Uma das principais estratégias de Bolsonaro é o uso de decretos presidenciais. Foi o presidente que mais editou esse tipo de medida em seus dois primeiros anos de mandato, comparado aos seus antecessores".

Na sequência, a âncora Andresa Boni apresentou as "bolsonarices do dia":

"Entre outras, o presidente disse que a variante ômicron seria bem-vinda, porque sinaliza o fim da pandemia. Mas isso já foi desmentido pela OMS. Depois ele voltou a condenar a vacinação em crianças e criticou novamente os técnicos da Anvisa que aprovaram essa medida com base em critérios científicos. Na sequência, atacou os ministros do STF Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso, que têm contestado várias decisões do governo. E completou com uma provocação: 'quem eles pensam que são?' Todo dia tem uma."

O posicionamento político do telejornal chama a atenção pelo fato de a TV Cultura, administrada pela Fundação Padre Anchieta, ser mantida com verba do governo do Estado de São Paulo. E, como se sabe, o governador João Doria, inimigo político de Bolsonaro, foi escolhido em prévias do PSDB como o candidato do partido à Presidência nas eleições deste ano.

É verdade que o "Jornal da Cultura" apresentou uma má notícia para Doria nesta quarta, a pesquisa eleitoral da Quest que o traz em quinto lugar nas intenções de voto, com apenas 3%. Mas o telejornal festejou o governador por ter liberado R$ 12 milhões para compra de 2 milhões de testes rápidos contra a covid.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL