PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Banco cobra R$ 8,6 milhões de empresários suspeitos de vacinação ilegal

 Matthew Horwood Colaborador Getty Images
Imagem: Matthew Horwood Colaborador Getty Images
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

29/03/2021 10h40Atualizada em 29/03/2021 19h26

Os empresários Robson José Lessa Carvalho e Rômulo Lessa Carvalho, suspeitos de organizarem uma vacinação ilegal em Minas Gerais, são alvos de um processo aberto pelo Banco Safra.

O banco cobra dos Lessa uma dívida de R$ 8,6 milhões referente a um empréstimo concedido em maio de 2013 para a Turilessa S.A, empresa de transporte coletivo da qual são sócios e fiadores.

Em novembro do ano passado, a Justiça de São Paulo determinou a penhora de ativos financeiros dos empresários e da Turilessa, mas encontrou apenas R$ 16,9 mil nas contas bancárias. A Turilessa tinha apenas R$ 75,55. Robson, R$ 223,43 e Rômulo, R$ 16.624,67.

Na defesa apresentada à Justiça, a empresa disse que sempre honrou seus compromissos, mas que o banco fez lançamentos injustificados na sua conta corrente, debitando valores indevidamente. A Turilessa admite ser devedora do contrato de empréstimo, mas exige que seja feita a devida compensação.

O Safra afirmou à Justiça que os argumentos apresentados pela empresa são típicos dos "maus pagadores". "Sem qualquer elemento ou prova, lançam ao papel todas as teorias possíveis na tentativa de tumultuar e impedir" a cobrança.

O processo ainda não foi julgado.

Na semana passada, a Justiça Federal de Minas Gerais quebrou o sigilo telefônico de Robson e Rômulo. Eles são suspeitos de terem organizado uma vacinação ilegal que teria beneficiado políticos e empresários mineiros.

O caso foi revelado pela revista piauí. A vacinação teria ocorrido em uma das empresas de ônibus de Robson e Rômulo. Um mandado de busca e apreensão também foi emitido contra eles.

Na decisão em que autorizou as medidas, o juiz Rodrigo Pessoa Pereira da Silva afirmou que "a gravíssima pandemia que assola o mundo e o Brasil se apresenta como uma guerra que só se vence com esforço e sacrifícios coletivos".

Segundo o juiz, nesse cenário caótico, de evidente escassez de vacinas, "indícios de burla às regras de preferência na ordem de imunização são inadmissíveis".

Ouvidos informalmente, os empresários negaram à polícia a vacinação ilegal. A coluna não conseguiu contatá-los.