PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Justiça condena a semiaberto corintiano que tentou abraçar Cássio

Cássio, goleiro do Corinthians - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Cássio, goleiro do Corinthians Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

29/06/2021 12h54

O juiz se preparava para apitar o final da partida quando o torcedor Willians Santos da Silva invadiu o gramado do Itaquerão.

Mesmo com a iminente derrota do Corinthians por 2 a 0 na primeira semifinal da Copa Sul-Americana de 2019 para o Independiente del Valle, o torcedor queria abraçar o goleio Cássio.

Contido pelos policiais antes de ultrapassar a linha do campo, foi detido, processado e, na semana passada, quase dois anos depois, foi condenado pela Justiça de São Paulo.

Willians, 35 anos, recebeu pena de um ano, um mês e 10 dias de prisão, em regime semiaberto, no qual o condenado cumpre em colônia penal agrícola, industrial ou em estabelecimentos similares, podendo trabalhar ou estudar durante o dia, recolhendo-se à unidade à noite.

"Eu queria tirar uma foto com o goleiro Cássio", afirmou Willians em seu interrogatório. Ele disse que, depois de ter sido levado para o posto de atendimento, foi agredido pelos policiais.

O juiz José Fernando Steinberg, no entanto, em sua sentença, afirmou que o laudo realizado pelo Instituto Médico Legal não atestou qualquer lesão corporal.

A defesa de Willians afirmou que sua conduta não colocou em risco a segurança dos jogadores e a regularidade do evento. "Ele nem sequer conseguiu ultrapassar a linha branca que demarca o campo." Disse também que o torcedor agiu por "impulso" e de forma "irrefletida".

Willians poderá recorrer da decisão em liberdade.