PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Homem usa nome de Fernanda Lima e é condenado por golpe

Fernanda Lima nos bastidores da Globo (Divulgação) - Reprodução / Internet
Fernanda Lima nos bastidores da Globo (Divulgação) Imagem: Reprodução / Internet
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

27/09/2021 10h42

A Justiça de São Paulo condenou o produtor de moda Alexandre Monteiro Piva, de 30 anos, acusado de se apropriar de cerca de R$ 160 mil em joias de uma loja da Vila Olímpia, em São Paulo.

De acordo com o Ministério Público, em dezembro de 2014, ele procurou a loja RLG do Brasil alegando que iria fazer um ensaio fotográfico com a apresentadora e modelo Fernanda Lima para uma revista e solicitou o empréstimo de algumas joias.

Piva, segundo a joalheria, era conhecido no mercado e já havia, inclusive, feito um empréstimo anterior para um outro trabalho. Durante as negociações, o gerente da loja recebeu mensagens de WhatsApp, falsas, de alguém que se fazia passar pela modelo nas quais ela insistia na necessidade do empréstimo.

O produtor conseguiu sete peças, comprometendo-se a devolvê-las em 48 horas: um par de brincos, três colares, um anel, um bracelete e um relógio. No entanto, de acordo com a acusação, devolveu apenas o bracelete, e somente um mês depois. As demais foram levadas a uma casa de penhor, onde foram dadas como garantia para um empréstimo em dinheiro.

A joalheria diz ter descoberto o golpe quando telefonou para a assessoria da modelo, que negou conhecer Piva.

Na defesa apresentada à Justiça, o produtor, que já tem uma condenação na Justiça por violência física, declarou ser inocente. Ele manteve a versão do ensaio fotográfico, mas disse que as joias foram furtadas pelo seu namorado. Afirmou que jamais pretendeu ficar com o patrimônio de outras pessoas, tanto que se comprometeu "até mesmo a pagar os valores".

O juiz Antônio Carlos de Campos Machado Junior disse na sentença que as provas demonstram que o produtor "agiu com dolo", "apropriando-se das joias que lhe foram confiadas".

Piva foi condenado a um ano e quatro meses de reclusão, mas a pena foi substituída pela prestação de serviços à comunidade.

Procurada pela coluna, a advogada Luciana Brandão, que o representa, afirma que vai recorrer da decisão. Disse que Piva foi agredido e ameaçado pelo namorado, que levou as joias após o rompimento da relação.