PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Justiça aceita denúncia, e 'Gatinha da Cracolândia' vira ré por tráfico

Lorraine Cutier Bauer Romeiro - Reprodução/Instagram
Lorraine Cutier Bauer Romeiro Imagem: Reprodução/Instagram
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

16/11/2021 09h33

A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público contra Lorraine Cutier Bauer Romeiro, de 19 anos, presa em julho deste ano sob acusação de tráfico de drogas na Cracolândia, na região central de São Paulo.

Lorraine, que ficou conhecida pelo apelido de "Gatinha da Cracolândia", agora passa a ser ré no processo, que corre sob segredo de justiça.

A juíza Erika Fernandes, da 13ª Vara Criminal de São Paulo, marcou para o dia 19 de novembro a audiência sobre o caso.

De acordo com a acusação, Lorraine foi capturada na cidade de Barueri e, na casa onde estava, foram encontradas mais de 400 porções de crack, cocaína, maconha e ecstasy, além de quase 100 frascos de lança-perfume.

Lorraine, que tinha mais de 30 mil seguidores no Instagram quando foi presa, disse em entrevista à TV Record que não é traficante. "Sou usuária", afirmou. "Nunca vendi, só ia para comprar."

A jovem declarou na entrevista ser usuária desde os 14, 15 anos. "Uma vez me ofereceram maconha e acabei fumando. Gostei da sensação e, no outro dia, queria de novo e de novo. Foi aí que percebi que tinha virado dependente."

Segundo as investigações da Polícia Civil, Lorraine levava uma vida de luxo sustentada pelo tráfico. As drogas eram vendidas, de acordo com a polícia, em tendas na Cracolândia, e rendiam até R$ 6 mil por dia.