PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Marcelinho Carioca não paga dívida de R$ 463 mil e tem salário penhorado

 O ex-jogador Marcelinho Carioca, durante o programa The Masked Singer Brasil  - Grupo CARAS
O ex-jogador Marcelinho Carioca, durante o programa The Masked Singer Brasil Imagem: Grupo CARAS
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

17/11/2021 10h28

A Justiça de São Paulo determinou a penhora de 30% da remuneração que o ex-jogador Marcelinho Carioca, hoje apresentador de programa esportivo, recebe na Rádio Top FM (104,1 MHz).

A decisão foi tomada pelo juiz Mário Chiuvite Júnior em razão de uma divida de cerca de R$ 463 mil que o ex-atleta do Corinthians tem com a empresa Martins Padrão Engenharia Construtora e Incorporadora Ltda (o valor inclui correção monetária, juros e multa).

Em 2006, cerca de três anos antes de se aposentar dos gramados, Marcelinho Carioca contratou a Martins Padrão com o objetivo de erguer um centro de treinamento na cidade de Atibaia com 197 mil metros quadrados -o Centro de Excelência Marcelinho Carioca. Sua ideia era receber times e seleções de futebol.

O atleta, no entanto, não fez todos os pagamentos acordados e a empresa entrou com uma ação de cobrança na Justiça.

Na defesa apresentada no processo, Marcelinho Carioca afirmou que não havia assinado o contrato e que tampouco era o fiador. A obra, argumentou, havia sido contratada pela MC Sports, empresa da qual ele disse não ser sócio.

A MC Sports, por sua vez, afirmou à Justiça que fez todos os pagamentos acordados, mas que a empresa não realizou adequadamente os serviços contratados. "A obra ficou inacabada", declarou.

A Justiça não aceitou a argumentação. Decidiu que Marcelinho era o responsável pelo empreendimento, tanto que o projeto levava o seu nome, e que havia, sim, valores a serem pagos. Como o processo transitou em julgado, o ex-atleta não pode mais recorrer.

De acordo com a decisão, a rádio terá de depositar todo o mês os 30% da remuneração em uma conta judicial até o pagamento integral da dívida. Marcelinho apresenta o programa "Top Esportes", de segunda a sexta, a partir das 18 horas.

A pedido da construtora, a Justiça determinou ainda que a Adidas repasse para uma conta judicial eventuais cotas de patrocínio que a empresa tenha firmado com o ex-atleta.