PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Internacional é condenado a pagar R$ 1,7 mi por desistir da Florida Cup

Celso Roth no comando do Internacional em jogo contra o Palmeiras em 2016 - Friedemann Vogel/Getty Images
Celso Roth no comando do Internacional em jogo contra o Palmeiras em 2016 Imagem: Friedemann Vogel/Getty Images
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

12/05/2022 11h27

O Internacional foi condenado pela Justiça paulista a pagar 327 mil dólares (cerca de R$ 1,7 milhão) aos organizadores do Florida Cup, competição de futebol que ocorre anualmente nos Estados Unidos.

O clube havia se comprometido a disputar o torneio em janeiro de 2017, mas desistiu após ter sido rebaixado para a segunda divisão do campeonato brasileiro de futebol.

Os organizadores disseram à Justiça que a desistência nas vésperas do evento gerou prejuízos, obrigando-os a tomar uma série de medidas urgentes para garantir a sua realização.

O Inter defendeu-se no processo afirmando que teve de desistir de participar do torneio em decorrência do acidente aéreo da Chapecoense, em novembro de 2016, que deixou 71 mortos. De acordo com o clube, a tragédia impactou no calendário de final de ano de todos as equipes brasileiras.

Com isso, disse o Inter, houve uma mudança na programação das férias dos jogadores, que, em vez de se reapresentarem no dia 04 de janeiro, como previsto, retomaram suas atividades no dia 11. O clube disse que, desse modo, era impossível viajar para a competição no dia 13, como previsto.

A Justiça não aceitou a argumentação e condenou o clube em primeira e em segunda instâncias. Considerou que o Inter não aceitou a alternativa apresentada pelos organizadores do evento para que iniciasse sua participação no dia 18 de janeiro, sem ter feito nenhum esforço para minimizar o problema.

De acordo com a decisão, ficou evidente que, para o clube, com o rebaixamento, tornou-se mais importante a preparação para a disputa da série B do campeonato brasileiro do que a participação do evento amistoso na Flórida.

O desembargador James Siano, relator do processo no TJ, afirmou que "não se sustenta a alegação do Internacional de que um evento de força maior impediu a sua participação". Ele condenou o clube a pagar a multa contratual e uma indenização por danos materiais, um total de 327 mil dólares (cerca de R$ 1,7 milhão).

O Inter ainda pode apresentar novo recurso.