PUBLICIDADE
Topo

Para o Congresso, Bolsonaro quer que tentem impeachment para ter confronto

Presidente Jair Bolsonaro - Adriano Machado/Reiuters
Presidente Jair Bolsonaro Imagem: Adriano Machado/Reiuters
Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Colunista do UOL

21/03/2020 04h00Atualizada em 21/03/2020 07h58

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), assim como os líderes dos principais partidos do Congresso já não acreditam na possibilidade de diálogo produtivo com o presidente Jair Bolsonaro.

Ele perdeu completamente a credibilidade junto ao establishment político. A visão geral é a de que Bolsonaro joga o tempo inteiro contra o Congresso.

"O que o Bolsonaro fala não se escreve. Uma hora estende a mão, na outra cospe. Está sempre jogando para a plateia. Não tem acordo", disse ao UOL um líder de forte penetração no Congresso.

Essa é uma opinião generalizada. Mas também nenhum dos líderes trabalha com a hipótese de impeachment.

Tanto Rodrigo Maia como Alcolumbre disseram, em conversas reservadas, que não estão dispostos a abrir guerra contra o chefe do Poder Executivo porque acreditam que é isto mesmo que ele quer.

A avaliação dos dois mandatários do Congresso, compartilhada pelos líderes, é a de que Bolsonaro está contra a parede. Vê as coisas não darem certo no seu governo e vislumbra que, assim, dificilmente chegará a 2022 com condições de vencer uma eleição em dois turnos.

Os bolsonaristas, por si só, não compõem um quarto do eleitorado. Sem os votos da direita mais moderada e da centro-esquerda antipetista, Bolsonaro não teria sido eleito em 2018. Ele sabe que precisa desses votos para se reeleger.

Com um quadro desses pela frente, o presidente vê no confronto uma possibilidade de solução: o Congresso tentaria seu impeachment e a parcela ainda fiel de seu eleitorado iria para as ruas defendê-lo. Do outro lado, só a parcela petista e da esquerda propriamente dita estaria disposta a se mobilizar.

Bolsonaro, segundo os políticos de centro, aposta na retomada de uma polarização nas ruas que poderia lhe resgatar o apoio da opinião pública, antes do aparecimento de uma liderança capaz de aglutinar forças de centro-direita e de centro-esquerda.

Ou seja, as principais lideranças do Congresso acreditam que Bolsonaro aposta num cenário em que, derrotando nas ruas uma tentativa de impeachment, ele ressuscitaria politicamente.