Tales Faria

Tales Faria

Siga nas redes
Reportagem

R$ 96 bi motivaram o apoio de Lira e Pacheco ao déficit zero de Haddad

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, usou um argumento muito objetivo para convencer o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), a apoiarem a manutenção da meta de déficit zero no Orçamento da União de 2024.

Haddad explicou aos dois que a manutenção da meta evitará um corte maior na liberação das emendas parlamentares no ano que vem.

Poderá haver R$ 96 bilhões reservados para emendas dos parlamentares no Orçamento do ano que vem, segundo disse Haddad ao congressistas. Isso se o governo não for obrigado a contingenciar (suspender a liberação) de parte dessas emendas. Se tiver que suspender a liberação, o contingenciamento pode chegar a R$ 23 bilhões.

Como assim? Segundo ele explicou, uma meta mais alta exigirá um aumento menor na arrecadação. Os parlamentares, então, não se sentiriam obrigados a aprovar projetos que aumentem a arrecadação no ano que vem.

Entre os projetos, o principal deles é a reforma tributária. Mas há proposições também urgentes para aumentar a arrecadação já em 2024: o que regulariza as apostas esportivas (bets); a taxação dos fundos fechados dos super ricos; a taxação das offshore; e a medida provisória das subvenções; além da questão dos juros sobre capital próprio (JCPs).

Se os parlamentares perderem o ânimo de aprovar esses textos, o governo seria obrigado a promover um corte maior de gastos para obras e na liberação de emendas parlamentares no ano que vem. É o chamado contingenciamento.

Em síntese: Haddad convenceu os dois chefões do Congresso e até o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que manter a meta de déficit zero significará um menor contingenciamento das verbas a serem usadas em obras pelo governo e pelos parlamentares.

Depois que forem aprovados os projetos de aumento de arrecadação — até o final do ano —, aí sim, dá para ajustar a meta de déficit fiscal.

Ninguém, nem no governo, nem no mercado, nem no Congresso, acredita que dá para sustentar um Orçamento com zero por cento de déficit em 2024.

Continua após a publicidade

Que a meta será alterada, isso é praticamente inevitável, admitiu Haddad para o presidente, para Lira e para Pacheco. Mas o problema é o timing, para não atrapalhar as votações no Congresso. Nem os R$ 96 bilhões que enchem os olhos de Lira, Pacheco e dos líderes partidários.

Foi isso que Fernando Haddad voltou a explicar em reunião no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira, 16, também ao relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), deputado Danilo Forte (União-CE), e aos ministros da Casa Civil, Rui Costa, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Rodrigo Pacheco, no entanto, procurou a coluna e afirmou que nunca tratou desse assunto com Haddad e que "a meta de déficit zero deveria gerar necessidade de aumento de arrecadação e redução de gastos, inclusive emendas".

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deixe seu comentário

Só para assinantes