PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Começa hoje 3ª etapa do julgamento do Massacre do Carandiru

Do UOL, em São Paulo

17/02/2014 06h00

Começa nesta segunda-feira (17), no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, a terceira etapa do julgamento do episódio que ficou conhecido como massacre do Carandiru. Ao todo, o massacre --assim classificado pela OEA (Organização de Estados Americanos) no ano 2000 --teve 111 mortos e 84 policiais denunciados.

Nesta etapa, 15 policiais serão julgados pela morte de oito presos que ocupavam o quarto pavimento (ou terceiro andar) da antiga Casa de Detenção Carandiru. Eles também respondem por duas tentativas de homicídio.

A expectativa é que o júri, presidido pelo juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, dure uma semana.

O julgamento terá início com o sorteio de sete pessoas que vão compor o Conselho de Sentença. Em seguida, serão ouvidas seis testemunhas de acusação, cinco testemunhas de defesa e os réus.

Julgamento foi desmembrado em quatro etapas

Por envolver grande número de réus e de vítimas, o julgamento foi desmembrado em quatro etapas, de acordo com o que aconteceu em cada um dos quatro andares do Pavilhão 9.

Na primeira etapa do julgamento, em abril do ano passado, 23 policiais foram condenados a 156 anos de reclusão cada um pela morte de 13 detentos.

Na segunda etapa, em agosto, 25 policiais foram condenados a 624 anos de reclusão cada um pela morte de 52 detentos que ocupavam o terceiro pavimento do Pavilhão 9.

O massacre

O Massacre do Carandiru ocorreu no dia 2 de outubro de 1992, quando 111 detentos foram mortos e 87 ficaram feridos durante operação policial para reprimir uma rebelião no Pavilhão 9 do presídio. (Com Agência Brasil)

Musa do Carandiru, Rita Cadillac ainda encontra ex-detentos nas ruas de SP

  • "Oi, madrinha. Como vai, madrinha?". Os "afilhados" são ex-detentos do complexo penitenciário do Carandiru. A "madrinha" é a dançarina e cantora Rita Cadillac, 59, que, talvez para muitos da extinta casa de detenção, a figura de musa coubesse melhor no imaginário que o de figura maternal.

Cotidiano