Topo

PM escolta coleta de lixo e troca de lâmpadas alvos de ataques em Fortaleza

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

09/01/2019 23h02

Policiais militares iniciaram, nesta quarta-feira (9), a escolta das equipes que recolhem lixo em bairros considerados mais propensos a ataques de facções criminosas em Fortaleza. Também foi reforçado o policiamento em postos de saúde e junto a equipes que trocam lâmpadas quebradas durante a onda de ataques que atinge o Ceará há oito dias.

Na última noite, também foram iniciadas rondas extraordinárias para retirar o lixo não recolhido nos últimos dias. São 4 mil toneladas retiradas diariamente, diz a Prefeitura de Fortaleza, e parte ficou nas ruas nos últimos dias devido à violência.

Segundo a SSPDS (Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social), postos de saúde de Fortaleza também tiveram a segurança reforçada para evitar ataques. O Sindicato dos Médicos do Ceará chegou a orientar os profissionais a não irem trabalhar até que a situação se normalizasse.

Os policiais militares permanecem acompanhando os ônibus de Fortaleza e da região metropolitana. Mesmo assim, pelo menos um veículo foi queimado na noite desta quarta, no bairro Jardim Fluminense.

Reforço municipal

A prefeitura de Fortaleza informou que a Guarda Municipal aumentou em 150% o efetivo nas ruas, passando de 200 para 554 guardas. O número de viaturas também passou de 40 para 50, e há 800 guardas fazendo guarda em edifícios e imóveis.

Segundo a prefeitura, equipes de limpeza urbana foram alvos de ataques, assim como a iluminação pública, que também sofreu avarias. Vídeos nas redes sociais mostram lâmpadas sendo queimadas.

Segundo a Polícia Civil, sete pessoas foram presas ou apreendidas desde ontem (8) por danos às lâmpadas dos postes em Fortaleza e na região metropolitana. Há inclusive adolescentes de 13, 14 e 16 anos entre os envolvidos.

"De acordo com as investigações, o objetivo das ações é facilitar a prática de atos criminosos em locais com pouca luminosidade", informou o órgão.

Muitos prédios também foram pichados com ameaças pelos criminosos, e pinturas estão sendo feitas pelo município para cobri-las. "A prioridade número um da Prefeitura de Fortaleza é garantir a normalidade na prestação dos serviços públicos, contando com o apoio do Governo do Estado do Ceará para promover as ações necessárias para tal", informou o município em nota.

Na tarde desta quarta-feira, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) visitou prédios públicos em áreas de maior vulnerabilidade.

"Nossa ideia é adotar as medidas que estão ao nosso alcance. Para isso, estamos trabalhando em parceria com a Polícia Militar e com a Guarda Municipal, de forma muito atenta, monitorada, integrada e mobilizada para garantir o serviço ao paciente e a tranquilidade ao profissional", disse.

Operação

Segundo a SSPDS, 406 policiais da Força Nacional de Segurança estão no Ceará, além de profissionais militares e analistas de inteligência enviados pelos estados da Bahia, Pernambuco, Piauí, São Paulo e Santa Catarina.

A pasta informou que, até o fim da tarde, foram 239 presos e apreendidos por envolvimento em atos criminosos em todo o Estado. Só nesta quarta-feira, entre 9h e 18h, foram 24 flagrantes realizados em delegacias do Ceará. O número de atentados já ultrapassa 170.

Segurança pública