PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Famílias reconhecem corpos de 2 homens que estavam em lancha desaparecida

Os corpos de Ricardo José Kirst (à esq.) e de Wilson Martins dos Santos foram identificados - Arquivo pessoal
Os corpos de Ricardo José Kirst (à esq.) e de Wilson Martins dos Santos foram identificados Imagem: Arquivo pessoal

Vinicius Rangel

Colaboração para o UOL, em Vitória

06/02/2021 15h41

Os corpos de Wilson Martins dos Santos, 57, e de Ricardo José Kirst, 55, foram reconhecidos hoje por familiares no Rio de Janeiro. Eles faziam parte de um grupo de cinco pessoas que estavam em uma lancha e eram consideradas desaparecidas desde o último dia 31 de janeiro.

Foi através dos objetos pessoais que as duas famílias conseguiram identificar os dois. O corpo do empresário Ricardo estava com uma mochila nas costas e uma pulseira pessoal. Já Wilson foi reconhecido por um cordão de prata e o relógio de pulso.

O grupo saiu do Rio com destino a Fortaleza. Ainda estão desaparecidos Domingos Salvio Ribeiro de Souza, Guilherme Ambrosio de Oliveira Nascimento e José Cláudio de Sousa.

A irmã de Ricardo, Simone Mello, contou que quando recebeu as informações e imagens dos objetos encontrados teve a certeza de que era o irmão. "A gente sabe que é ele. A pulseira é dele, a mochila também. É muito difícil saber que era o sonho dele fazer essa expedição, ele se dedicou muito e não teve tempo de concluir", contou.

O filho de Wilson, Renato Martins, contou que só conseguiu chegar até Macaé (RJ), com a ajuda dos moradores da cidade de Trairi (CE), a 137 km da capital Fortaleza. Ele fez uma campanha na internet e conseguiu doações também de todo o país.

"Graças a ajuda de amigos, parentes e as pessoas da minha cidade, conseguimos chegar ao Rio de Janeiro para fazer o translado. Recebi doações também de outras pessoas de fora daqui de Fortaleza. É uma dor muito grande", disse Renato.

Wilson era casado. Ele deixou três filhos e dois netos. Já Ricardo tinha cinco filhos. Ambos serão velados e enterrados nas cidades onde moravam.

Entenda o caso da lancha desparecida

Os cinco amigos embarcaram na cidade fluminense em direção ao Ceará. No caminho, eles avisaram a família que iriam parar em Vitória, no Espírito Santo, para fazer um abastecimento. Esse foi o último contato com os parentes, no dia 29 de janeiro.

A Marinha do Brasil foi acionada e começou a fazer buscas por toda a região entre o Rio e o estado capixaba. Na quarta-feira, foi encontrado um freezer na região de Cabo Frio que seria da embarcação "O Maestro". As buscas se concentraram nessa área.

Já na quinta-feira dois corpos também foram encontrados na mesma região, em avançado estado de decomposição. Familiares foram avisados e se mobilizaram para ir até o Instituto Médico Legal (IML) de Macaé, para onde as vítimas foram encaminhadas.

A Capitania dos Portos vai continuar fazendo buscas pela região onde os corpos dos dois amigos foram encontrados para tentar achar os outros tripulantes. As buscas contam com apoio de três aeronaves, sendo uma da Força Aérea Brasileira (FAB).

Cotidiano