PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

SC: Homem é condenado por matar filha da ex com 60 facadas para se vingar

Brenda Rocha Carvalho foi morta por ex da mãe - Acervo pessoal
Brenda Rocha Carvalho foi morta por ex da mãe Imagem: Acervo pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Florianópolis (SC)

01/03/2021 14h12

O Tribunal de Júri da Comarca de Santa Rosa do Sul, em Santa Catarina, condenou a 52 anos, quatro meses e nove dias de prisão o réu Jéferson de Quadro Peres, réu por feminicídio. Ele é autor do assassinato de Brenda da Rocha Carvalho, de 14 anos, encontrada morta em Passo das Torres (SC), em 2019.

O caso ganhou repercussão pela brutalidade do crime. Para se vingar da ex-namorada após o fim do relacionamento, o homem resolveu tirar a vida da filha adolescente dela. O réu matou a vítima com 60 facadas, deformando o corpo da adolescente, segundo denúncia do MPSC (Ministério Público) de Santa Catarina.

A publicação da sentença aconteceu na sexta-feira (26), um dia após o julgamento, ocorrido na Câmara Municipal de Santa Rosa do Sul. A Justiça decidiu levar a apreciação para o prédio do legislativo por eventuais aglomerações da população em frente ao fórum.

Jéferson Quadro foi condenado a 52 anos de prisão em SC - Allan Oliveira/Arquivo Pessoal - Allan Oliveira/Arquivo Pessoal
Jéferson Quadro foi condenado a 52 anos de prisão em SC
Imagem: Allan Oliveira/Arquivo Pessoal

A família acompanhou de perto o Tribunal do Júri. Os parentes da adolescente estenderam faixas e estiveram presentes no prédio vestidos com camisas estampadas com o rosto da vítima.

"Uma pequena parte da dor é amenizada. Ele não explicou quase nada na hora do julgamento, dizendo que não lembrava, apenas confessando ser o autor. Estamos um pouco aliviados, só que temos a consciência de que não irá cumprir toda a pena se tiver um bom comportamento", comentou ao UOL o irmão mais velho de Brenda, Allan Rocha Oliveira, de 20 anos.

De acordo com o parente, mesmo quase dois anos após o crime, a família ainda tenta se recuperar do drama que a perda de Brenda causou dentro de casa.

"Minha mãe ainda toma medicamentos antidepressivos. Chegou a diminuir um pouco a quantidade e retomar o trabalho, voltando um pouco com a vida ao normal. Meu irmão pequeno, de 3 anos, que ficava direto com ela, ainda chama pela Brenda. Isso é de cortar o coração", lamentou.

A defesa de Jéferson ainda não recorreu da sentença, mas adiantou que irá buscar a diminuição da pena imposta pela Justiça.

"A gente vai recorrer da pena. Era impossível não haver a condenação neste caso, mas acreditamos que existiu uma majoração da sentença. Tanto o júri quanto a promotoria tentaram fazer este caso como um diviso de águas na sociedade, contudo, não funciona assim", afirmou o advogado César Paganini Teixeira.

Crime brutal

A adolescente Brenda Rocha Carvalho foi encontrada morta em 14 de setembro de 2019 em uma plantação de eucaliptos, em Passo de Torres, a 262 quilômetros de Florianópolis.

A localização do corpo estava a 70 quilômetros da casa onde a vítima morava com a mãe e os irmãos, em Maracajá (SC). Ela saiu de casa por volta das 18h do dia anterior e não retornou mais.

Natural do Rio Grande do Sul, a vítima levava uma vida tranquila. Brenda cursava o sétimo ano do ensino fundamental, gostava de ouvir músicas pela TV e aguardava ansiosa pelo seu aniversário de 15 anos, no dia 17 de fevereiro de 2020. A festa estava já toda paga.

Ela virou alvo do ex-namorado da mãe após o fim do relacionamento do casal. Segundo o MPSC, as investigações concluíram que Jéferson praticou o feminicídio para se vingar da ex, que teria iniciado outro caso amoroso. O IGP (Instituto Geral de Perícias) chegou a informar que o laudo apontou 40 facadas na vítima, mas a apuração apontou "mais de 60" golpes, causando a deformação do corpo.

Jéferson chegou a participar do velório e foi preso em 17 de setembro em um hospital de Torres, no Rio Grande do Sul, recebendo atendimento médico após uma tentativa de suicídio.

A denúncia do MPSC o acusou um mês depois do crime pela prática de feminicídio com as qualificações de motivo torpe e meio cruel.

Cotidiano