PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
2 meses

Grande Rio teve uma chacina por semana nos últimos 5 anos, aponta estudo

Operação no Jacarezinho foi uma das chacinas mais recentes no estado - Herculano Barreto Filho/UOL
Operação no Jacarezinho foi uma das chacinas mais recentes no estado Imagem: Herculano Barreto Filho/UOL

Colaboração para o UOL

28/05/2021 20h28Atualizada em 28/05/2021 21h00

Um estudo feito pelo Instituto Fogo Cruzado e o Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da UFF (Universidade Federal Fluminense) mostra que o Grande Rio registrou mais de 500 chacinas nos últimos 14 anos. Somente nos últimos cinco anos, houve uma por semana, que deixaram mais de mil mortos.

Desde o início de 2021, 30 chacinas já ocorreram na região metropolitana do Rio. A mais recente delas foi no último dia 6, quando 28 pessoas morreram em uma operação da Polícia Civil no Jacarezinho, na zona norte carioca.

O levantamento aponta que nos primeiros 140 dias deste ano houve um aumento de 50% no número de chacinas decorrentes de ações ou operações policiais em comparação com o mesmo período de 2020. O número de mortos teve um aumento de 87%.

Chacinas no Grande Rio nos últimos 5 anos

  • 2016 (de julho a dezembro): 15
  • 2017: 39
  • 2018: 65
  • 2019: 81
  • 2020: 44
  • 2021 (até 17 de maio): 30

Tropa de elite das polícias

Dentre as chacinas que aconteceram nos últimos cinco anos, três em cada quatro tiveram o envolvimento de policiais. Dados do estudo mostram que a presença de unidades especializadas das polícias Civil e Militar nas operações praticamente dobram a probabilidade de ocorrência de chacina.

Os números mostram que apenas 3,7% das chacinas não houve a presença do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) ou da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais), as tropas de elite das polícias do Rio.

Já em operações com presença dos agentes das especializadas, o número sobe para 8,7%. Quando houve a participação das duas forças, ocorreu chacina em 31,4% das operações.

Mais da metade das chacinas envolvendo ações policiais este ano teve o emprego de agentes de unidades especializadas.

Segurança pública