Conteúdo publicado há 5 meses

Familiares lamentam morte de menina de 3 anos no RJ: 'Dor é inacreditável'

Amigos, familiares e autoridades lamentaram a morte da menina Heloísa dos Santos Silva, de 3 anos, que morreu neste sábado (16), após ter ficado nove dias internada em um hospital de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Ela teve de ser hospitalizada após uma abordagem de agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) a um carro da família no Arco Metropolitano, na altura de Seropédica.

O que aconteceu

Familiares e amigos utilizaram as redes sociais para prestar homenagens à Heloisa. "Descansa em paz, princesa, você foi forte. Lutou até o último momento. Seu brilho, suas fofuras e seu sorriso encantador jamais será esquecido", escreveu a prima Jeovana Dutra nas redes sociais.

Os pais da menina pedem "justiça", segundo membros da ONG Rio de Paz, entidade que presta assistência social e jurídica a famílias que vítimas de operações policiais no Rio de Janeiro.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, escreveu nas redes sociais que se manifestará somente ao final do processo. "Quanto à apuração de responsabilidade administrativa, reitero que o processo administrativo foi instaurado no mesmo dia da ocorrência. Minha decisão só pode ser emitida ao final do processo, como a lei determina. Também já há Inquérito Policial na Polícia Federal, que será enviado ao MPF e à Justiça."

A secretaria de saúde do município lamentou a morte. "Em nome da Prefeitura de Duque de Caxias e de todos os colaboradores da Secretaria Municipal de Saúde, lamentamos profundamente e nos solidarizamos aos familiares e amigos da pequena Heloísa."

A presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher do Rio de Janeiro, deputada estadual Renata Souza, disse que a morte de Heloísa é "inaceitável". "Tristeza imensa. Inaceitável, revoltante, dilacerante. Mais uma família dilacerada, mais um futuro exterminado. Muita dor."

A PRF também lamentou a morte por meio de nota. "Solidarizamo-nos com os familiares, neste momento de dor, e expressamos as mais sinceras condolências pela perda", disse.

A dor é grande, é inacreditável. Será sempre amada e lembrada em nossos corações.
Jeovana Dutra, amiga de Heloísa dos Santos Silva

"Eles querem, prioritariamente Justiça, que o caso não fique impune. Eles agradeceram pelo acolhimento e pela mobilização que fizemos para que a PRF dê uma satisfação."
João Luiz, integrante da ONG Rio de Paz

Continua após a publicidade

Morte e investigações

A morte ocorreu após uma parada cardiorrespiratória irreversível, às 9h22 deste sábado, informou a prefeitura de Duque de Caxias. A garota estava internada no Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes desde o dia 8 de setembro.

O carro abordado durante a ação da PRF era roubado. Contudo, a pessoa que teria vendido o veículo à família da menina compareceu à delegacia do Rio de Janeiro para prestar esclarecimentos. "O pai e a mãe da menina não sabiam de nada quando compraram o veículo", afirmou o integrante da Rio de Paz.

O MPF (Ministério Público Federal) investiga o caso. Segundo a secretaria de saúde do município, um policial entrou no hospital enquanto a menina estava internada, mas não teve acesso a UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Imagens de câmeras de segurança do local foram enviadas ao MPF para serem analisadas.

Ação policial

A criança foi baleada dentro do carro da família em Seropédica, na Baixada Fluminense, no último dia 7. Os familiares disseram que os tiros partiram da polícia, que afastou três agentes. No carro, estavam a menina, os pais, a irmã e uma tia.

Continua após a publicidade

O agente da PRF Fabiano Menacho Ferreira disse em depoimento que disparou contra o carro "depois que ouviu o barulho de tiro", segundo a TV Globo. De acordo com o policial, ele e dois colegas começaram a perseguir o veículo após constatarem que o automóvel era roubado.

A PRF afastou três policiais e diz que a Corregedoria apura o caso. Em nota, a corporação afirma que os agentes também passarão por avaliação psicológica e expressa "profundo pesar" pela situação.

O diretor-geral da PRF, Fernando Oliveira, disse que os agentes são proibidos de atirar contra automóveis, mesmo em caso de fuga. Segundo ele, qualquer excesso cometido por parte de agentes não tem apoio do presidente Lula (PT), nem do ministro da Justiça, Flávio Dino, e nem dele.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora