PUBLICIDADE
Topo

'Cadê o Doria?', novo programa eleitoral de Russomanno alfineta Covas

Celso Russomanno (Republicanos), candidato à Prefeitura de São Paulo - Reprodução
Celso Russomanno (Republicanos), candidato à Prefeitura de São Paulo Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

26/10/2020 21h06

Em seu novo programa eleitoral, Celso Russomanno (Republicanos) alfinetou o adversário Bruno Covas (PSDB) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Apesar de serem do mesmo partido, Doria não aparece em nenhuma campanha de Covas, tecnicamente empatado em 1º lugar na disputa eleitoral pela Prefeitura de São Paulo.

"Cadê o Doria, vocês viram o Doria por aí?", começa Russomanno. "Ele não aparece nem na propaganda do Bruno. Será que o prefeito esconde o governador com medo de atrapalhar?", questiona.

Um dos motivos apontados para o distanciamento de Covas e Doria durante o período eleitoral é a rejeição do governador. Segundo pesquisa do Datafolha, 60% dos eleitores de São Paulo afirmam que não votariam de jeito nenhum em um candidato apoiado por Doria.

O termo Bruno-Doria é frequentemente usado por Russomanno para criticar o adversário, mas não é a primeira vez que um candidato tenta vincular Covas a Doria. No primeiro debate eleitoral para a Prefeitura de São Paulo, foi a vez de Jilmar Tatto (PT) usar o governador de São Paulo contra o adversário.

O petista citou o vínculo entre os dois políticos do PSDB ao defender a volta do programa De Braços Abertos, que foi finalizado durante a gestão tucana: "São dependentes químicos que precisam de amor, de carinho e assim que o [governador João] Doria e o Bruno assumiram a prefeitura esparramaram, usaram violência contra essas pessoas", afirmou Tatto.

Distância entre Covas e Doria

Em entrevista ao jornal O Globo, o atual prefeito de São Paulo negou que esteja tentando se descolar do tucano, de quem foi vice enquanto Doria comandou a capital. Segundo Covas, a ideia é que sua propaganda mostre aspectos positivos de seu mandato, e não se aproveitar de padrinho político.

O recado de Covas foi para Celso Russomanno (Republicanos), que se escora na proximidade com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e Jilmar Tatto (PT), que usa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como destaque na campanha.

"Quem não tem o que mostrar na cidade, realmente só tem que mostrar padrinho político. Eu tenho o que mostrar e, no momento apropriado, o governador vai fazer parte do meu horário eleitoral", afirmou.

Há duas semanas, Covas chegou a citar a ex-prefeita pelo PT Marta Suplicy em sua propaganda política. A menção foi feita enquanto Covas falava da criação de novos CEUs (Centros Educacionais Unificados), implantados durante a gestão Marta (2001 a 2004).