Conteúdo publicado há 1 mês

Fala de Lula sobre 'Holocausto' foi 'cuspe no rosto de judeus', diz Israel

O ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse que a fala de Lula que comparou os ataques israelenses à Faixa de Gaza com o "Holocausto" foi um "cuspe no rosto de judeus brasileiros".

O que aconteceu

O chanceler israelense afirmou que a comparação foi "delirante". "Que vergonha. Sua comparação é promíscua, delirante. Vergonha para o Brasil e um cuspe no rosto dos judeus brasileiros. Ainda não é tarde para aprender História e pedir desculpas", disse Katz ao marcar o perfil do presidente brasileiro em mensagem em português publicada no X (o antigo Twitter).

Ministro disse que "milhões de judeus em todo o mundo" aguardam retratação de Lula. "Como ousa comparar Israel a Hitler? É necessário lembrar ao senhor o que Hitler fez?", questionou o diplomata israelense.

Conteúdo falso. O ministro Paulo Pimenta, da Secom, disse que o chanceler israelense atribui a Lula "opiniões que jamais foram ditas por ele".

"Lula condena o massacre da população civil de Gaza promovido pelo governo de extrema-direita de Benjamin Netanyahu, que já matou mais de 30 mil palestinos, entre eles, 10 mil crianças", ressaltou.

O Governo Netanyahu se nutre da guerra para se manter no poder. A maioria da população israelense rejeita a política extremista do governo e a comunidade internacional cobra o fim dos ataques em Gaza. Isolado, o governo de Israel adota prática da extrema-direita e aposta em Fake News para tentar se reafirmar interna e internacionalmente.
Paulo Pimenta, ministro da Secom

Fala sobre Holocausto

Lula deu declaração sobre Israel após comentar outra fala anunciando doações para a agência de refugiados palestinos da ONU. A primeira declaração também gerou polêmica e fez com que o partido Novo abrisse uma queixa-crime contra o presidente na PGR.

O que está acontecendo na Faixa de Gaza, com o povo palestino, não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler decidiu matar os judeus.
Presidente Lula

Continua após a publicidade

Oposição quer impeachment de Lula

Parlamentares oposicionistas ao governo coletam assinaturas contra o presidente. Para os deputados, declaração polêmica foi crime de responsabilidade. O grupo classificou a fala como "ato de hostilidade contra nação estrangeira, expondo a República ao perigo da guerra, ou comprometendo-lhe a neutralidade".

Governo de Israel repudiou a fala e declarou presidente brasileiro "persona non grata". Segundo o governo israelense, esse status será mantido até que Lula peça desculpas.

Lula não deve se desculpar por fala

Internamente, o Planalto avalia que a fala de Lula não estava errada, mas que o discurso pode, sim, ser confundido com um ataque ao povo judeu. O Planalto insiste que as críticas aos ataques israelenses devem continuar: o plano, agora, é deixar a separação dos posicionamentos entre as ações do Estado e a sua população mais clara.

Deixe seu comentário

Só para assinantes