Alckmin pede registro de candidatura e declara R$ 1,3 milhão em bens ao TSE

Gustavo Maia e Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

  • Reprodução

    Site do TSE registra pedido de candidatura à Presidência do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP)

    Site do TSE registra pedido de candidatura à Presidência do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP)

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) protocolou nesta quarta-feira (8) pedido de registro de sua candidatura à Presidência da República.

O presidenciável declarou 16 bens no valor total de R$ 1.379.131,70 ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral)

Na última eleição que disputou, em 2014, Alckmin declarou patrimônio de R$ 1.069.498,27. Corrigido pela inflação oficial até julho desse ano, o último mês disponível, o montante seria de R$ 1.367.328,08.

Naquele ano, ele foi reeleito governador de São Paulo. Considerando o valor corrigido, o patrimônio do ex-governador cresceu apenas 0,8% desde 2014.

O tucano foi o terceiro presidenciável a submeter seus dados ao tribunal eleitoral. Antes dele, foram registrados os candidatos do PSOL, Guilherme Boulos, e do PSTU, Vera Lúcia.

A candidata a vice-presidente na chapa, senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), também teve o pedido registrado junto a Alckmin no TSE. Ela declarou ter R$ 5.125.983,92 em bens, quase quatro vezes mais que o tucano.

Além de depósitos bancários e aplicações de renda fixa, Ana Amélia informou ser dona de cinco apartamentos, duas casas, duas lojas, um veículo e outros bens móveis.

Nas eleições de 2010, quando se elegeu ao Senado, ela declarou ter R$ 1.262.198,42, que corrigidos pela inflação no período seriam hoje R$ 2.053.377,46. Ou seja, em oito anos, seu patrimônio informado aumentou em R$ 3.072.606,46.

A coligação do PSDB com PP, PTB, DEM, Solidariedade, PPS, PRB e PSD foi batizada de "Para unir o Brasil".

Médico, casado e natural de Pindamonhagaba (SP), Geraldo José Rodrigues Alckmin Filho, 65, tenta concorrer ao Palácio do Planalto pela segunda vez.

Em 2006, ele foi ao segundo turno contra o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas perdeu.

Em nota oficial após o pedido de registro de candidatura junto ao TSE, o PSDB nacional disse que a chapa busca "unidade".

"Em busca de unidade para construção de um projeto de desenvolvimento do Brasil, em benefício do bem-estar econômico e social da população, a convenção nacional do PSDB também aprovou uma coligação nacional com mais oito partidos [...] O PSDB agora aguarda o deferimento das candidaturas pela Justiça Eleitoral", diz a nota do partido.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (9), Ana Amélia diz que o aumento de seu patrimônio se explica pela herança que recebeu após a morte de seu marido, em 2011. "As parcelas do pagamento, ainda não concluído, estão todas declaradas no meu Imposto de Renda, ano a ano, desde o ato da operação, com todos os impostos pagos, conforme a lei. O aumento de meu patrimônio não é fruto da atividade política, mas da herança deixada por meu marido e por aplicações feitas com meus rendimentos nesse período."

Na mais recente pesquisa Ibope, divulgada no fim de junho, Alckmin apareceu com 4% das intenções de voto no cenário com Lula, e com 6% na simulação sem o ex-presidente, que testou o ex-prefeito Fernando Haddad (PT). Na primeira, ele ficou em 5º lugar e, na segunda, em 4º.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos