Topo

Bolsonaro anuncia general Santos Cruz para Secretaria de Governo

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília*

2018-11-26T11:10:15

2018-11-26T19:57:59

26/11/2018 11h10Atualizada em 26/11/2018 19h57

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou nesta segunda-feira (26) o general Carlos Alberto dos Santos Cruz para a Secretaria de Governo. Uma das atribuições da pasta é cuidar da relação do Planalto com o Congresso. 

Se a Secretaria de Governo mantiver o status de ministério, Santos Cruz será o 14º ministro anunciado por Bolsonaro e o quarto militar a integrar o ministério de Bolsonaro. O presidente eleito, entretanto, tem afirmado que pretende reduzir o número de pastas na Esplanada.

Leia também

Os generais da reserva Augusto Heleno e Fernando de Azevedo e Silva vão chefiar respectivamente o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) e o Ministério da Defesa, e o astronauta Marcos Pontes, tenente-coronel reformado, será responsável pela pasta da Ciência e Tecnologia. Além deles, o vice-presidente, Hamilton Mourão, é general da reserva do Exército.

Santos Cruz foi secretário Nacional de Segurança Pública entre 2017 e 2018, durante o governo de Michel Temer (MDB), e comandou duas missões de paz das Nações Unidas, no Haiti (2007-2009) e na República Democrática do Congo (2013-2015). Em junho deste ano, deixou o posto e atuou temporariamente como consultor da ONU.

O general declarou apoio a Bolsonaro durante a campanha eleitoral, mas não é vinculado a partidos políticos nem tem ligação com a equipe do presidente eleito. Apesar de estar na reserva, ele é considerado uma grande liderança entre militares da ativa e da reserva, segundo as fontes ouvidas pelo UOL.

Santos Cruz assumirá o posto que hoje é ocupado pelo deputado Carlos Marun (MDB-MS), da tropa de choque do presidente Michel Temer. A secretaria foi criada em 2015 pelo governo Dilma Rousseff (PT).

Santos Cruz era cotado para a Segurança Pública

Há cinco dias, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro, filho do presidente eleito, havia anunciado Santos Cruz em seu perfil no Twitter para o posto de secretário nacional de Segurança Pública, subordinado ao futuro ministro da Justiça, Sergio Moro.

Em entrevista ao UOL em Brasília, em fevereiro, Santos Cruz, então secretário nacional de Segurança Pública, defendeu a criação de um ministério da Segurança Pública para dar mais status ao setor. “Como ministério ou como secretaria, a segurança pública tem que funcionar. O mais importante é o funcionamento. O mais importante não é a troca de nome ou a troca de status, o mais importante é o funcionamento”, afirmou na época.

Nesta segunda, Moro confirmou que o general Santos Cruz – anunciado como futuro ministro da Secretaria de Governo -- foi cogitado para assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública, mas disse que Bolsonaro preferiu indicá-lo para a pasta dentro do Planalto.

"O nome do general Santos Cruz, pela excelência do currículo, foi cogitado para o cargo de secretário nacional de Segurança Pública, mas o presidente [eleito] na semana passada me externou o desejo de convidá-lo para o cargo no Planalto e, obviamente, o presidente tem a preferência nas indicações", disse Moro.

De acordo com Moro, a Senasp será responsável pelo o que chamou de maior parte da “superestrutura” do Ministério da Justiça, junto à uniformização de procedimentos.

Perfil

Normalmente visto como um homem de poucas palavras e quase sempre "de cara fechada", Santos Cruz não corresponde ao estereótipo, segundo seus colegas disseram ao UOL. Ele é descrito como um homem pragmático, mas extremamente flexível e negociador.

"Quem está criando a imagem de que ele é um militar extremamente rígido, tipo sargentão, vai se surpreender", disse o general Paul Cruz, que também comandou as tropas de paz da ONU no Haiti. Segundo ele, a experiência como Comandante da Força da ONU dá a Santos Cruz muita bagagem para fazer a articulação política do governo.

"Quando se está em um escalão mais baixo, você dá uma ordem e os outros obedecem, mas no nível estratégico, do Comandante das Forças da ONU, você tem que trabalhar com todos os fatos que influenciam um cenário, não é só dizer sim ou não. É preciso operar em um ambiente onde sobram dificuldades e faltam informações. E ele é uma pessoa que consegue conversar com todo tipo de pessoa, desde o intelectual ao jogador da pelada de futebol", disse.

Santos Cruz é frequentemente citado nos discursos do comante do Exército Eduardo Villas Boas. Ele virou uma referência no meio militar, inicialmente pela capacidade física e pela disposição de comandar tropas na linha de frente, mas depois pela forma como conduziu os dois comandos de missão de paz que realizou. "Ele tem uma forma de pensar objetiva e uma estabilidade emocional muito grande. Você nunca vai ver ele perder a linha, mesmo sob muita pressão", disse o também ex-comandante da ONU, general Ajax Porto Pinheiro.

"No cargo de Comandante da Força em uma missão de paz, semanalmente ao menos você tem que participar de negociações entre interesses antagônicos e chegar a um bom termo. Você sofre pressões políticas do governo local, da ONU, dos embaixadores dos países envolvidos, de diversas origens", disse. "Sobre caminho da política no Brasil lá dentro ele aprende. Vai ter que ser muito flexível e às vezes engolir sapos", disse Ajax.

 (*Colaborou Luis Kawaguti, do UOL no Rio)

Ministério pode dar mais status à Segurança Pública

UOL Notícias

Mais Política