Topo

Posse de Jair Bolsonaro


Réveillon da elite bolsonarista de Brasília rima segurança com esperança

Festa "Uma Noite em Veneza", organizada no hotel Royal Tulip, em Brasília - Paulo Sampaio/UOL
Festa "Uma Noite em Veneza", organizada no hotel Royal Tulip, em Brasília Imagem: Paulo Sampaio/UOL

Paulo Sampaio

Do UOL, em Brasília

02/01/2019 04h00

Parece curioso. Em Brasília, só se fala em segurança: a cidade está armada até os dentes, diversas vias estão bloqueadas e policiais intimidam visitantes.

No entanto, em todos os ambientes ditos de elite em que a reportagem do UOL esteve, os eleitores de Jair Bolsonaro afirmaram que o novo governo traz com ele a palavra "esperança". Mas assim?

Bolsonaro nem precisaria tomar tanto cuidado com segurança. Seus eleitores o blindam contra qualquer ameaça de ataque.

Uma designer de 30 anos na festa "Uma Noite em Veneza", organizada no hotel Royal Tulip, na Asa Norte, diz que não ia às urnas desde 2002 e que regularizou sua situação eleitoral só para votar em Bolsonaro: "O Brasil está precisando de benzetacil, não de dipirona! O Bolsonaro vai estancar a sangria da roubalheira do PT".

Mas e o caso em que é acusado o ex-assessor Fabrício Queiroz?

"Corrupção existe até na Suíça. Você tem de pensar na proporção. Vai diminuir com certeza", afirma o marido da designer.

Na festa do Oliver, outro ponto badalado da cidade, o DJ Bola toca house music, sertanejo, Ludmila, Anitta e muita música com "bunda" na letra.

Ali, um administrador de empresas mineiro de 42 anos, que está com a mulher e dois filhos adolescentes, diz que a grande sacada de Bolsonaro foi perceber "aquilo que o José Padilha mostrou em 'Tropa de Elite' [o filme]": "Em 2005, o povo já queria se ver livre dos bandidos. O Bolsonaro é o capitão Nascimento!".

"É pé na porta e soco na cara! É voz de comando", completa a mulher do administrador, uma fonoaudióloga loira, de porte pequeno e feições delicadas.

Será que o forte esquema de segurança na cidade faz parte da chegada da "entidade Nascimento"?

"Não", diz ela, "é por causa do rísbula!" (é a primeira que não responde: "É por causa do Adélio"). Rísbula, depois se descobre, é a pronúncia da fono para Hezbollah. "Essa mudança da embaixada para Jerusalém mexe com todo o mundo árabe. Israel é um país que enfrenta dificuldades até na ONU [Organização das Nações Unidas]", diz.

Festa de final de ano do Oliver, ponto badalado de Brasília - Paulo Sampaio/UOL
Festa de final de ano do Oliver, ponto badalado de Brasília
Imagem: Paulo Sampaio/UOL

A resposta é até certo ponto criativa e, digamos, globalizada, mas ninguém ali está para brincadeira. Em um hotel cinco estrelas, a diretora-executiva me informa que o Exército os convocou para passar instruções sobre como descobrir se um hóspede é terrorista.

Ela conta que a orientação era replicar essas instruções aos funcionários. "Sem violar nenhum tipo de intimidade, na medida do possível as camareiras devem observar se há mais de um passaporte no quarto, e também o número de celulares."

Ela não sabe dizer se foi coincidência, mas ultimamente recebeu em seu perfil do Facebook muitos convites de amizade vindos de árabes: "Eu acesso muito pouco o Facebook, então isso me chamou a atenção. Recusei todos, claro". Tudo é dito em um tom de voz baixo, acompanhado de olhares averiguadores no entorno.

Pouco antes do jantar, quando é servido um delicioso tartar de atum, ela relata que um "homem suspeito" perguntou ao funcionário que recebe os hóspedes do lado de fora do hotel se "algum presidente" estava hospedado ali.

Pausa. Os circunstantes se entreolham com expressões preocupadas. Para não frustrar a paranoica fantasia nem causar constrangimento, não revelo que o "homem suspeito" era eu mesmo.

Pela manhã, no momento em que eu saía do hotel, um carro da Polícia Federal deixou cerca de cinco homens armados, acompanhados de um cachorro pastor alemão. Um dos policiais inclusive lembrava Lucas Valença, o "lenhador da Federal" que escoltou Eduardo Cunha no dia de sua prisão; só não tinha o coque.

Rindo com um canto só da boca, o policial alisa a arma e diz que não, não é ele.

Em dado momento, dois camareiros tocam a minha porta, perguntando se eu quero "serviço de abertura de cama". E o que seria isso? Eles explicam que consiste em puxar o lençol e dobrá-lo em uma das extremidades da cama, a fim de deixá-la pronta para o hóspede apenas se deitar e dormir.

Como a diretora-executiva do hotel já tinha dito que havia policiais à paisana hospedados ali, penso que talvez eu esteja sendo considerado suspeito.

No elevador, uma mulher com uma camiseta preta com a estampa de Bolsonaro fala que vai assistir à posse. O tema da segurança volta à tona: "Eles não estão deixando a gente entrar com guarda-chuva", diz ela, resignada, alisando com as mãos os cabelos muito obedientes.

"Mas eles têm razão, né?", continua ela, enquanto aplica dois soquinhos na barriga, num gesto que parece fazer alusão às facadas aplicadas por Adélio em Bolsonaro. "Vamos deixar o homem viver..." 

Festas e badalações em risco

Desde a manhã do dia 30, a reportagem tentou uma indicação de festa "poderosa" de Réveillon. A resposta era quase sempre vaga. Nem mesmo antigos colunistas sociais arriscavam um local.

A negativa vinha sempre acompanhada do mesmo argumento: segurança. "Nem adianta, está todo mundo com medo..."

A deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP) sugeriu uma entrevista com ela na porta do Clube do Congresso, onde ela chegaria "para uma festa com ministros".

Após a proposta de uma conversa antes, para evitar o tumulto, Hasselmann respondeu que não poderia: "Meu endereço é restrito, secreto, por causa das ameaças de morte que recebo". Expliquei que eu não pretendia divulgar o endereço dela, nem tampouco matá-la, mas não adiantou.

À tarde, o cabeleireiro mais bombado da cidade, que fica em um casarão no setor das habitações individuais sul, frequentado, entre outros, pelo ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), e a mulher, Roberta, havia uma profusão de BMWs, Range Rovers, Mercedes e Volvos.

O dono, que recebe as clientes pessoalmente e as chama pelo nome, me diz que atende as mulheres e os homens mais poderosos da corte, sem saber nem quem são. "Só depois que eles vão embora, eu ligo o nome às histórias, e aí me dou conta. É um salão diferente. Aqui não tem isso..."

Claro.

Ele não parece ter saudade do governo do PT, embora lembre que na primeira posse de Lula montou uma "estação de cabelo e maquiagem" no hotel Blue Tree (hoje Golden Tulip), apenas para atender as mulheres das autoridades.

"Ficou tudo concentrado ali. Era muito mais fácil para todo mundo, inclusive para os jornalistas."

E a segurança? "Não tinha isso, as pessoas circulavam livremente."  

O preço do corte é o mesmo (com as devidas correções); R$ 170 o masculino, inclusive para homens que, como Toffoli, queiram um "corte austero, que combine com a função dele"; e R$ 180 a R$ 230, o feminino. 

Ele me diz que o governo que toma posse traz consigo algo diferente de tudo o que já viu, um clima de renovação.

Um dos cabeleireiros de sua equipe conta que vai atender no dia seguinte o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no hotel onde ele está hospedado, e que passará o dia em função disso.

Terá de mandar todo o material a ser utilizado para que seja revistado. Quando os atendimentos são no local onde está o cliente, como no caso de Netanyahu, o preço aumenta. Fica em torno de R$ 1.500 a R$ 2.000. Chama a segurança!

Mais Posse de Jair Bolsonaro