PUBLICIDADE
Topo

Quem é Braga Netto, escolhido por Bolsonaro para substituir Onyx

O general Walter Braga Netto - Fátima Meira/Estadão Conteúdo -
O general Walter Braga Netto Imagem: Fátima Meira/Estadão Conteúdo -

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

12/02/2020 15h21Atualizada em 13/02/2020 20h25

Resumo da notícia

  • Braga Netto é o atual chefe do Estado-Maior do Exército
  • Há 45 anos na carreira militar, ele se notabilizou por ocupar cargos de comando
  • Foi coordenador-geral da Assessoria Especial dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016
  • Em 2018, foi o interventor federal na segurança pública do Rio nomeado por Temer

O general mineiro Walter Souza Braga Netto, 62, foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para substituir Onyx Lorenzoni no comando da Casa Civil. Há 45 anos na carreira militar, ele se notabilizou por ocupar cargos de comando na hierarquia do Exército e ter atuado como interventor militar na segurança pública do Rio de Janeiro em 2018.

A situação de Onyx à frente da pasta piorou desde que seu número 2 foi demitido por usar um avião da FAB (Força Aérea Brasileira). Ele já vinha perdendo poder desde o ano passado em razão de seu desempenho na articulação política com o Congresso. Seu destino agora é o Ministério da Cidadania, hoje sob Osmar Terra.

Braga Netto

A um mês de completar 63 anos, Braga Netto, nascido em Belo Horizonte, é o atual chefe do Estado-Maior do Exército. Ele ingressou na carreira militar em 1975, mas em 1980 já era 1º Tenente. Sua carreira ganhou expressão nacional em 2001, quando, já tenente-coronel, foi nomeado oficial de gabinete de Gleuber Vieira, então comandante do Exército.

Em julho daquele ano, outra nomeação: comandante do 1º Regimento de Carros de Combate, no Rio. Cinco meses depois, e ele era promovido a coronel.

Entre 2005 e 2007, Braga Netto foi enviado à Polônia para serviços diplomáticos: lá, exerceu o cargo de Adido de Defesa do Exército na embaixada brasileira naquele país.

General

Promovido a general de brigada em novembro de 2009, ele voltou à função de de Adido de Defesa em 2011, mas na embaixada brasileira nos Estados Unidos.

Em 2013, nova promoção, agora para general de divisão, mesmo ano em que foi nomeado coordenador-geral da Assessoria Especial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio em 2016.

Um ano antes dos jogos, no entanto, passou a comandante da 1ª Região Militar, com jurisdição sobre os estados do Rio e Espírito Santo.

Interventor no Rio

Em fevereiro de 2018, Braga Netto foi nomeado pelo então presidente Michel Temer (MDB) interventor federal na segurança pública do Rio, posição que ocupou até dezembro do mesmo ano.

O balanço da intervenção no Rio é controverso. Entre os resultados positivos estão a redução dos roubos no estado, implantação de melhorias administrativas nos órgãos de segurança e a compra de materiais para as corporações.

Por outro lado, a medida não reduziu as mortes violentas, os tiroteios se intensificaram e a letalidade policial cresceu.

De acordo com dados do ISP (Instituto de Segurança Pública), o Rio de Janeiro fechou 2018 com 6.695 mortes violentas. O número ficou um pouco abaixo do ano anterior, quando foram registradas 6.749 mortes violentas no estado.

Em março do ano passado, Braga Netto foi indicado para nova função: assumiu a chefia do Estado-Maior do Exército, órgão responsável pela elaboração da política militar terrestre.

General Braga Netto faz balanço da intervenção no Rio de Janeiro

Band Notí­cias

Política