PUBLICIDADE
Topo

Política

MP-SP denuncia vereador Adilson Amadeu por declaração antissemita

Adilson Amadeu (DEM) já havia xingado colega na Câmara de "judeu filho da p..." - Reprodução/Facebook
Adilson Amadeu (DEM) já havia xingado colega na Câmara de "judeu filho da p..." Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

27/11/2020 19h53

O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) decidiu denunciar o vereador Adilson Amadeu (DEM) por uma declaração preconceituosa contra judeus feita em um grupo de WhastApp. A denúncia foi feita ontem pelo promotor de Justiça Paulo Rogério B. Costa à 21ª Vara Criminal de São Paulo.

Amadeu, que foi eleito recentemente para o seu quinto mandato na Câmara de Vereadores paulistana, mandou o áudio que embasou a denúncia em 30 de abril deste ano. Nele, segundo o promotor, o vereador "praticou discriminação e preconceito em face da etnia judaica", em manifestação conhecida como antissemita.

A denúncia não esclarece em que contexto Amadeu deu a declaração preconceituosa, mas o trecho em questão faz referência ao Hospital Albert Einsten, que tem suas origens ligadas à comunidade judaica em São Paulo. O vereador também cita o grupo Lide, que foi fundado pelo governador João Doria (PSDB).

"(...) que é uma puta duma sem vergonhice, que eles querem que quebra todo mundo, pra todo mundo ficar na mão, do grupo de quem? Infelizmente também os judeus, quando eu até tô até respondendo um processo, porque quando entra Albert Einstein, grupo Lide é que tem sem-vergonhice grande, grande, sem-vergonhice de grandeza, de grandeza que eu nunca vi na minha vida (sic)", diz o vereador no áudio.

À época da mensagem, o estado de São Paulo vivia um momento complicado da pandemia do novo coronavírus e o comércio permanecia fechado por conta da quarentena.

A ação foi apresentada ao MP-SP pela Conib (Confederação Israelita do Brasil) e pela Federação Israelita do Estado de São Paulo, que são representadas pelos advogados Victor Bialski e Daniel Leon Bialski.

O UOL pediu um posicionamento ao gabinete do vereador sobre a denúncia, mas até agora não obteve retorno. Assim que tiver uma resposta, ela será publicada aqui.

Segunda vez

Essa não é a primeira vez que Amadeu dá uma declaração antissemita. Em dezembro do ano passado, ele chamou o também vereador Daniel Annenberg (PSDB) de "judeu filho da p..." durante uma discussão na Câmara. Os dois debatiam sobre um projeto de lei sobre regulamentação de transportes por aplicativo.

Pouco depois, o vereador afirmou em nota que a declaração se deu "no calor da discussão" e pediu desculpas à comunidade judaica.

Política