PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Bolsonaro vai a sepultamento de PM que morreu ao salvar crianças em SP

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deixa sepultado de policial militar que morreu ao salvar crianças em SP - Reprodução/Band
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deixa sepultado de policial militar que morreu ao salvar crianças em SP Imagem: Reprodução/Band

Do UOL, em São Paulo

30/12/2020 17h26

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi ao velório do cabo da Polícia Militar de São Paulo Diogo Gomes de Melo, 31, que se afogou ao tentar salvar quatro crianças que estavam no mar de Itanhaém, no litoral paulista.

Segundo o "Brasil Urgente", ele chegou por volta das 16h e deixou o local após uma hora sem falar com a imprensa — e sem utilizar máscara.

A ação do presidente até gerou críticas do apresentador José Luiz Datena, que tinha acabado de mostrar um estudo apontando a importância da máscara contra a covid: "Se não quer tomar vacina, o problema é dele. Mas podia pelo menos usar a máscara, né?".

Mais cedo, o chefe do Executivo afirmou enquanto passeava pela Praia Grande que o policial morto é um "herói".

"Ele está marcado na história, mais um ato salvando a vida de outros e entregando a própria vida. Fico imaginando o que passou pela cabeça desse garoto. Mexer com água não é fácil. Parece que o gesto foi instintivo", disse Bolsonaro, em vídeo postado no seu canal no YouTube.

"É uma grande perda para todos nós, lamento o ocorrido. É um herói que deu sua vida para a vida de algumas crianças. Sentimentos para toda família."

De acordo com o Grupamento de Bombeiros Marítimo, que atendeu a ocorrência, por volta das 16h20, o policial aproveitava o dia de folga com a família na praia do Suarão quando entrou no mar para salvar o enteado, de 10 anos e três sobrinhos, todos de 12 anos, que haviam sido arrastados pelas ondas e estavam se afogando.

Ele conseguiu alcançar duas das crianças quando foi puxado pela força da água e não conseguiu retornar para a faixa de areia, desaparecendo no mar. Banhistas que estavam na praia conseguiram retirar as quatro crianças da água. Elas passam bem.

Buscas começaram a ser feitas para encontrar o policial. Cinco viaturas e 11 oficiais trabalharam nas buscas. Cerca de uma hora depois, o corpo de Diogo foi encontrado no mar.

Bolsonaro causa aglomeração na praia

grade - Reprodução - Reprodução
Grade separando apoiadores do presidente na praia
Imagem: Reprodução

Hoje pela manhã, Bolsonaro aproveitou hoje o dia de folga no litoral de São Paulo, onde passará o Ano Novo com a família, para passear na praia. Em dia ensolarado na Praia Grande, ele caminhou pela areia e parou para cumprimentar e conversar com apoiadores.

A presença do governante no local atraiu dezenas de pessoas e provocou aglomerações. Uma grade teve que ser instalada para estabelecer distância mínima em relação aos populares.

Vestido com a camisa do Santos, Bolsonaro se aproximou do público e, sem máscara, interagiu com abraços e apertos de mão. O presidente comentou a cena em live transmitida por meio de suas redes sociais. "O povo está aqui na praia. Muitos vão falar que tem aglomeração, mas como eu disse lá no começo... Nós temos que enfrentar [a pandemia]. Tomar conta dos mais idosos, que têm comorbidade... E toca a vida."

"A gente faz isso aí [interage com apoiadores]. Se arrisca também um pouco, né? Para ver o que acontece. O que tem a falar... Alguns até reclamam, né? É direito deles. Mas sempre tivemos e estaremos ao lado da população. Porque aqui, atender o povo é a nossa obrigação."

Política