PUBLICIDADE
Topo

Política

Nunes Marques devolve processo, e STF retoma hoje suspeição de Moro

Após pedir vista, o ministro do STF Nunes Marques devolveu hoje o tema da suspeição para julgamento - Arquivo - Nelson Jr./STF
Após pedir vista, o ministro do STF Nunes Marques devolveu hoje o tema da suspeição para julgamento Imagem: Arquivo - Nelson Jr./STF

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

23/03/2021 10h05Atualizada em 23/03/2021 11h27

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Nunes Marques devolveu hoje para julgamento pela Segunda Turma a análise do processo que pede a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro. De acordo com o sistema eletrônico da Corte, o tema foi incluído na pauta para ser julgado ainda nesta terça-feira (23).

Em 9 de março, Nunes Marques havia pedido vista no processo que analisa a suposta parcialidade de Moro durante o processo que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) envolvendo um tríplex no Guarujá.

A devolução para julgamento foi feita por Nunes Marques às 9h46 de hoje. A Segunda Turma tem sessão marcada para as 14h. Também entrou na pauta de hoje uma questão de ordem para decidir se a análise de anulação de condenações do ex-presidente Lula deve ser analisada pelo plenário ou pela Segunda Turma.

Empatado

No momento, o placar sobre a suspeição está empatado em 2 a 2. No início do mês, votaram Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, ambos contra Moro (ou seja, a favor de declarar a suspeição do ex-juiz).

Já Edson Fachin, que é o relator do processo, e Cármen Lúcia haviam votado em 2018 a favor de Moro (contra a suspeição), antes da revelação dos diálogos da Vaza Jato, que expuseram conversas entre Moro e membros da Operação Lava Jato.

A ministra, no entanto, disse, em 9 de março, que "trouxe um voto escrito", que será lido após o de Nunes Marques no retorno do julgamento, indicando que pode mudar sua posição.

Nunes Marques havia justificado seu pedido de vista dizendo que "todos os demais membros da Segunda Turma já são senhores no conteúdo deste processo". "Já o conhecem e não teriam dificuldade de votar mesmo com processo sendo pautado com exíguo espaço de tempo. Então, senhor presidente, peço as devidas escusas a Vossas Excelências, mas preciso pedir vista para analisar o conteúdo desse processo". Ele se tornou ministro do STF em novembro do ano passado.

A suspeição

A Segunda Turma do STF decidiu retomar em 9 de março o julgamento de suspeição de Moro, impondo uma derrota a Fachin que pedia o adiamento. O ministro tentava tirar o processo de análise e chegou a pedir ao presidente do Supremo, Luiz Fux, uma decisão para adiar o julgamento, mas não foi atendido.

À época do pedido de suspeição, de 2018, a Turma ainda contava com Celso de Mello, que se aposentou ano passado. Ele foi substituído por Nunes Marques, indicado por Jair Bolsonaro (sem partido).

O recurso foi apresentado em novembro de 2018, dias depois de o então juiz ter abandonado a magistratura para assumir um cargo na política, como ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Para a defesa de Lula, isso provaria uma motivação política de Moro para julgar Lula, tese que o ex-juiz sempre negou. O petista ficou de fora da eleição presidencial de 2018, vencida por Bolsonaro, em razão da sentença no caso do tríplex —a qual, após ter sido confirmada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), foi uma das anuladas por Fachin.

Anulações

Em 8 de março, Fachin anulou todas as condenações do ex-presidente Lula e remeteu esses processos da Lava Jato à Justiça Federal do Distrito Federal.

A PGR (Procuradoria Geral da República) é contra a decisão de Fachin. O ministro decidiu enviar a análise do recurso pelo plenário do STF, não pela Segunda Turma.

A defesa de Lula protestou e, ontem, o ministro Ricardo Lewandowski encaminhou o tema para o ministro Gilmar Mendes, presidente da Segunda Turma. A decisão sobre se o recurso será analisado pelo plenário ou pela Segunda Turma também está na pauta desta terça.

Política