PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro, filho e Salles levam multa por não usarem máscara em 'motociata'

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

12/06/2021 12h18Atualizada em 12/06/2021 21h40

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi autuado hoje por "não cumprir com a exigência de uso de máscara de proteção facial nos espaços de uso aberto ao público" durante uma "motociata" em São Paulo. O valor da multa é de R$ 552,71, e o auto de infração é do Centro de Vigilância Sanitária, da secretaria estadual de Saúde.

Além do presidente, os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), presentes no ato, também foram multados em R$ 552,71 por não usarem máscara.

Ainda foram autuados cinco deputados federais — Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Carla Zambelli (PSL-SP), Cezinha de Madureira (PSD-SP), Coronel Tadeu (PSL-SP) e Hélio Lopes (PSL-RJ) — e o deputado estadual Gil Diniz (sem partido-SP) pelo mesmo motivo, totalizando dez autoridades multadas.

O uso de máscaras é obrigatório no estado de São Paulo desde maio de 2020. Segundo consta na autuação de Bolsonaro, à qual o UOL teve acesso, o presidente "incorreu em infração sanitária considerada de risco à saúde".

Na quarta-feira (9), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que multaria Bolsonaro caso ele não utilizasse máscara na "motociata". O presidente reagiu dizendo que o governador se achava "doninho" de São Paulo. Durante a "motociata" de hoje, o presidente, inclusive, chegou a "reger" um xingamento a Doria.

"Dever do estado", diz auto

O auto de infração contra o presidente pontua que, "neste momento em que medidas não farmacológicas são fundamentais para a prevenção e controle da pandemia, o uso de máscara de proteção facial é amplamente preconizado pela comunidade científica internacional".

O documento ainda lembra os números da pandemia no estado de São Paulo, citando 3,4 milhões de casos, 117 mil óbitos e a lotação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) em território paulista. "Portanto, é dever do estado controlar o risco à saúde da sua população, de acordo com o que determina o código sanitário estadual."

O governo paulista diz que, assim como no auto de infração de Bolsonaro, os do deputado e do ministro também pontuam a necessidade da manutenção das medidas preventivas já conhecidas e preconizadas pelas autoridades sanitárias internacionais, como uso de máscara e distanciamento.

"Motociata"

Junto com apoiadores, Bolsonaro começou um passeio de moto com trajeto de cerca de 129 quilômetros. Em nenhum momento, o presidente utilizou máscara. A presença dele estimulou aglomerações desde sua chegada à manifestação.

Em alguns momentos durante a "motociata", Bolsonaro parou para interagir com os apoiadores. A manifestação também foi marcada por um acidente entre duas motos.

Ao final do passeio de moto, o presidente fez um discurso com ataques à Doria e à ciência, mais uma vez criticando medidas de prevenção à pandemia. Bolsonaro voltou a defender um falso tratamento contra covid-19, além de se colocar contra o uso de máscaras.

Política