PUBLICIDADE
Topo

Política

Mourão desmente Bolsonaro e diz que desmatamento na Amazônia é real

Carla Araújo e Fabíola Cidral

Do UOL, em Brasília

17/11/2021 16h07

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) declarou hoje, em entrevista exclusiva ao UOL, considerar que o desmatamento na Amazônia é real, posicionamento que vai no sentido contrário ao do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Há dois dias, durante a viagem a Dubai, Bolsonaro voltou a distorcer informações referentes aos problemas na floresta brasileira e mentiu, em discurso a investidores árabes, ao dizer que a Amazônia não pega fogo por ser úmida.

Em uma tentativa de traçar um cenário positivo para a região que tem enfrentado números recordes de queimadas e desmatamento, Bolsonaro disse que mais de 90% da Amazônia está preservada e "exatamente igual a quando o Brasil foi descoberto". Porém, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Florestas, a devastação já atingiu cerca de 16% do bioma.

Para Mourão, "o desmatamento é muito claro".

"Os dados que são divulgados pelo Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] mensalmente por meio do sistema Deter, eles não deixam dúvida. Assim como teve um aumento em outubro, em agosto foi 33% menor. Você tem que analisar o ciclo, né. Então muitas vezes a imprensa dá o foco, nesse mês foi o pior, mas ninguém falou que agosto foi o melhor."

"Comparando 1º de janeiro do ano passado com 31 de outubro do ano passado e 1º de janeiro desse ano com 31 de outubro desse ano, nós estamos ligeiramente abaixo em relação ao ano passado. E agora é um período que há uma redução normal do desmatamento porque entramos em pleno período de chuva, né. Nós vamos terminar esse ano em uma faixa de talvez 10% abaixo do que foi o desmatamento no ano passado. Nada a comemorar. Porque estamos com uma faixa aí de 8.000 a 8.500 quilômetros quadrados por ano sendo desmatados."

Mourão afirmou ainda que que o "o combate ao desmatamento passa por várias ações" e que apenas ações de fiscalização e repressão a ilícitos ambientais não são suficientes.

"A ação que aparece mais é a fiscalização, pela ação de comando e controle, vamos fazer a repressão. Mas só isso não basta. Você precisa acertar a questão da regularização fundiária. Temos ainda problemas herdados de tempos atrás, onde terras indígenas e unidades de conservação foram demarcadas com gente no local já. E ninguém retirou essas pessoas de lá. É uma questão social, essas pessoas estão lá. E continuam a desmatar. Obviamente, porque tem que ganhar sua vida."

Assista à íntegra da entrevista:

Política