PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

'Somos uma democracia em que há antidemocratas ainda', diz Cármen Lúcia

Ministra do STF Carmen Lucia - Rosinei Coutinho/STF
Ministra do STF Carmen Lucia Imagem: Rosinei Coutinho/STF

Do UOL, em São Paulo

25/04/2022 08h47

Sem citar nomes, a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Cármen Lúcia afirmou que o Brasil é uma democracia onde ainda há "antidemocratas". A fala da magistrada ocorreu durante entrevista ao jornal "O Globo".

Somos uma democracia em que há antidemocratas ainda. Então é preciso que a gente construa socialmente a democracia e a República mais amplas. Isso é que nos faz mais republicanos. Repúblicos de uma República verdadeira. Ministra Cármen Lúcia

"Tudo, no caso brasileiro, é muito mais dificultoso, porque nós temos uma história de colonização extremamente impositiva e autoritária. Estamos no ano do bicentenário da Independência, e os preconceitos e as atitudes antidemocráticas de hoje são repetições históricas tristes do que ainda não conseguimos superar", completou, em seguida.

Questionada sobre a crise entre os poderes —principalmente depois que o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) teve sua pena "perdoada" pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), um dia depois de ser condenado pelo STF—, Cármen Lúcia se esquivou e falou que não se manifestaria fora dos autos.

Em relação à revisão constante de decisões tomadas pela Operação Lava-Jato, a ministra negou "retrocesso" e disse que "as investigações precisam ser feitas nos termos da Lei".

"O direito de ser julgado de maneira imparcial é direito fundamental. E vem de muito tempo. Antígona queria que seus dois irmãos, Etéocles e Polinices, fossem julgados da mesma forma. E é o que diz a Creonte. A corrupção é o que Ulysses chamou de 'a doença da República'", declarou.

"Então a corrupção é inaceitável. É crime. Não está havendo um retrocesso. Mas as investigações precisam ser feitas nos termos da lei, e não são investigações fáceis mesmo. Os corruptos de forma geral não deixam provas tão fáceis, como é caso em uma prisão em flagrante", acrescentou.

Política