Topo

Conteúdo publicado há
11 meses

Moraes mantém Mauro Cid preso; ele prestará novo depoimento à PF nesta 6ª

18.jun.2019 - Mauro Cid, então ajudante de ordens, conversa com Bolsonaro após uma reunião no Palácio do Planalto - 18.jun.2019 - Adriano Machado/Reuters
18.jun.2019 - Mauro Cid, então ajudante de ordens, conversa com Bolsonaro após uma reunião no Palácio do Planalto Imagem: 18.jun.2019 - Adriano Machado/Reuters

Aguirre Talento, Beatriz Gomes e Carla Araújo

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

29/06/2023 22h39Atualizada em 29/06/2023 23h29

O tenente-coronel do Exército Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), prestará um novo depoimento à PF (Polícia Federal) nesta sexta-feira (30).

O que aconteceu

Mauro Cid segue preso, por decisão de Alexandre de Moraes. A defesa do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro entrou com um pedido de soltura no STF, porém Moraes negou.

O depoimento de Cid será sobre as investigações dos atos golpistas de 8 de janeiro, que atentaram contra os Três Poderes da República. Mensagens apreendidas no celular do ex-ajudante de ordens mostram conversas de teor golpistas com pessoas próximas ao ex-presidente.

Ao negar a liberdade a Mauro Cid, no último dia 25, Moraes argumentou: "(...) a revogação das prisões poderia colocar em risco a investigação, por ainda se verificar a possibilidade, ainda que em tese, de que os investigados possam ajustar versões acerca dos fatos ou interferir na colheita da prova". A decisão está sob sigilo, foi revelada pela Globo e confirmada pelo UOL.

É esperado que Cid preste esclarecimentos sobre os achados da PF em perícia no celular dele, que encontrou uma minuta para um golpe de Estado. O texto previa a declaração do estado de sítio no Brasil "dentro das quatro linhas da Constituição". As mensagens também mostram que Cid foi cobrado por membros das Forças Armadas para convencer Bolsonaro a seguir com um golpe após a vitória de Lula (PT) nas eleições do ano passado.

A nova convocação de Mauro Cid, preso desde o dia 3 de maio, pode não mudar o rumo das investigações. Ao depor, em maio, ele se negou a falar à Polícia Federal e permaneceu em silêncio.

Leia os documentos achados no celular do ex-assessor.

Minuta do golpe

O ministro Benedito Gonçalves, relator no TSE do processo que pode tornar o ex-mandatário inelegível, votou para rejeitar todos os pedidos apresentados pela defesa do ex-chefe do Executivo, como o de excluir da ação a chamada "minuta do golpe" da ação.

O plano golpista também cita o trabalho do Ministério da Defesa na fiscalização das urnas eletrônicas e a ação golpista do PL para embasar a decretação do estado de sítio no país. O conteúdo da minuta está em um relatório da PF, revelado pela revista Veja, e ao qual o UOL também teve acesso — o material tem 66 páginas.

Segundo a PF, o documento foi enviado por Mauro Cid ao seu próprio contato, como um backup. O que chamou a atenção dos investigadores foi a menção à expressão "declaro o estado de sítio" — o documento seria um conjunto de justificativas para embasar a medida.

Entre os pontos listados pelo documento para justificar o estado de sítio estaria uma infundada ação do TSE para "limitar a transparência" do processo eleitoral ao impedir acesso dos militares ao código-fonte — o que é inverídico. As Forças Armadas acompanharam a fiscalização do código-fonte no edifício do TSE, e conclusão da auditoria não encontrou falhas no processo eleitoral.

O documento no celular de Cid menciona ainda que o TSE afastou muitas "causas justas" de apreciação — citando a ação movida por Bolsonaro, que alegou ausência de inserções de rádio de sua propaganda eleitoral. O caso foi arquivado pela Corte, que viu tentativa de tumultuar o segundo turno das eleições.