Conteúdo publicado há 2 meses

Moro sobre pedido de cassação: 'Querem ganhar vaga de senador pelo tapetão'

O senador Sergio Moro (União Brasil-PR) atribuiu as ações que pedem a cassação dele a uma "perseguição política do PT" e "oportunistas do PL", mas não atribuiu culpa ao ex-presidente e ex-aliado Jair Bolsonaro (PL). As declarações foram em entrevista à CNN Brasil.

O que aconteceu

Moro diz que processos contra ele são frágeis e apresentados por adversários. "Essas ações são um castelo de cartas, promovidas por ação política do PT e, do outro lado, por oportunistas que perderam a eleição pelo lado do PL. As acusações não se sustentam", afirmou.

Senador destacou que se refere apenas ao PL estadual, e não nacional. "É o PL do Paraná, que perdeu a eleição, [e está] sendo oportunista, buscando essa vaga sem ganhar no voto", disse. "Teve candidato do PL que perdeu as eleições e vive reclamando [...], querendo ganhar a vaga de senador pelo tapetão, um senador biônico".

Ex-juiz não citou nomes, mas ele venceu o ex-deputado Paulo Martins (PL) nas urnas no ano passado. Moro obteve 34% dos votos válidos, contra 29% de Martins.

Moro depôs hoje na sede do TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná). Ele é acusado de abuso de poder econômico, caixa 2, uso indevido de meios de comunicação e contratos irregulares. Os processos foram movidos pelo PL e pela federação PT-PV-PCdoB, e foram unificados em junho deste ano.

Partidos argumentam que Moro teve vantagem indevida na corrida ao Senado. Eles citam que a candidatura do ex-ministro custou mais de R$ 6 milhões —o máximo permitido pelo TSE é R$ 4,4 milhões.

Caso seja condenado, Moro ficará inelegível por oito anos e serão convocadas novas eleições para o Senado no Paraná.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora