Conteúdo publicado há 26 dias

Filha de Olavo de Carvalho: 'Meu interesse é o patrimônio no Brasil'

Heloísa de Carvalho Martin, única dos oito filhos de Olavo de Carvalho excluída do testamento, disse já ter entrado na Justiça para receber sua parte na herança do escritor e guru bolsonarista, que morreu em 2022. Em entrevista ao UOL News nesta segunda (27), ela explicou que se baseia no patrimônio que o pai tinha no Brasil.

Sou bacharel em direito e sei que não tenho direito ao patrimônio dele nos Estados Unidos. Até tenho como contestar, pois a Justiça abre porta para tudo. Se vou ganhar ou não é outra questão, mas não é meu interesse. Meu interesse é o patrimônio no Brasil e nenhum juiz falou sobre isso até agora.

Realmente, ele tem patrimônio no Brasil, tanto que ainda nesse ano Caetano Veloso conseguiu penhorar pouco mais de R$ 8.000 de direitos autorais dele da editora Record. Isso é patrimônio no Brasil, e há muitos outros mais.

Ele comprou as casas lá [nos EUA] com dinheiro que ele ganhou no Brasil. É tudo questionável juridicamente, mas há o patrimônio aqui: direitos autorais de livros, filmes, canecas, livros de quadrinhos, cursos, fotografias...

Há dois anos, cada casa [dos EUA] valia em torno de US$ 100 mil a US$ 150 mil. São residências simples, em bairros pobres. Ele fazia isso para não chamar a atenção e ficar visível. No Brasil, o imposto de renda dele de 2017 declarava, salvo engano, quase R$ 300 mil por ano de direitos autorais. De lá para cá, houve muito mais projetos dele. Heloísa de Carvalho Martin, filha de Olavo de Carvalho

Heloísa considerou "uma piada" sua exclusão do testamento de Olavo, mas que já esperava por isso por conta do rompimento com o pai, em 2017. Ela voltou a frisar que usaria o valor da herança para pagar uma dívida do escritor com Caetano Veloso —Olavo foi condenado a pagar cerca de R$ 3 milhões ao cantor por acusá-lo de pedofilia no relacionamento com Paula Lavigne.

É piada. Já esperava essa notícia porque desde meu rompimento com ele provavelmente [Olavo] já havia planejado isso. Não foi nenhuma surpresa e estou tranquila. Não preciso do dinheiro dele para nada. Excluir-me foi mais ou menos uma estratégia de fraudar os credores.

Se me deixassem no testamento, com certeza repassaria minha parte ao Caetano Veloso para pagar essa dívida. A dívida não é minha; é do Olavo, assim como o patrimônio de herança. Eu faria questão disso. Acho mais do que justo e honesto o Caetano receber o que é de direito dele. Heloísa de Carvalho Martin, filha de Olavo de Carvalho

Tales: Bolsonaro perseguiu Moraes e STF e não pode reclamar

Continua após a publicidade

Jair Bolsonaro não tem motivo para reclamar de perseguição pela decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes de mantê-lo inelegível, já que ele atacou tanto o juiz como o Supremo, afirmou o colunista Tales Faria.

Bolsonaro perseguiu Alexandre de Moraes e o Supremo por muito tempo. Ele não pode reclamar de perseguição. Ele sabia exatamente os riscos que corria quando transformou o 7/9 em um comício e quando chamou os embaixadores para 'denunciar' as urnas eleitorais dentro do Palácio da Alvorada. Bolsonaro sabia que estava rompendo com a legalidade. Tales Faria, colunista do UOL

Cioccari: Sem chance de reverter inelegibilidade, Bolsonaro tenta manter base viva

A cientista política Deysi Cioccari destacou que, ao repetir o discurso de perseguição política e diante da impossibilidade de reverter sua inelegibilidade, Jair Bolsonaro busca manter sua base de apoio viva e mobilizada.

Essa fala de tentar reverter o processo é muito mais para manter essa parcela do bolsonarismo mobilizada. Bolsonaro ainda não delegou seu capital político para outro personagem. É normal, dentro do jogo político, que se mantenham todas as fichas no atual representante desse movimento, que é o Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Enquanto ele mantiver essa base mobilizada, dizendo que foi injusto e é uma perseguição política, ela seguirá acreditando que existe uma chance de reversão. Não acredito que haja esta possibilidade. É mais um movimento para tentar manter o bolsonarismo vivo até 2026 do que uma possibilidade real. Deysi Cioccari, cientista política.

Cioccari: Randolfe decepciona em resposta e conduta no caso de funcionária

O senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP) gera frustração ao tentar amenizar o fato de uma das funcionárias de seu gabinete postar fotos em momentos de lazer durante seu horário previsto de trabalho, disse a cientista política Deysi Cioccari.

O UOL revelou que Luciana Gurgel, esposa do deputado federal Vinícius Gurgel (PL-AP), não compareceu ao gabinete em Brasília. Com uma jornada sem controle de frequência no escritório de Rodrigues, ela compartilha sua rotina diária em um perfil no Instagram; atividades de beleza e saúde coincidem com os horários de trabalho dela no gabinete do senador.

Isso beira o sarcasmo, mas é uma prática muito comum entre deputados e senadores: dar cargos paras seus cabos eleitorais. É um deboche.

Continua após a publicidade

Decepciona esse tipo de conduta e a resposta do senador. Espero que se abra uma investigação. Se for aberta, cai metade do Congresso Nacional, porque infelizmente essa é uma prática muito comum. Espero que o senador reveja a posição dele e trate da forma grave como é. Deysi Cioccari, cientista política.

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Quando: De segunda a sexta, às 10h e 17h.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes