Conteúdo publicado há 27 dias
OpiniãoPolítica

Bergamo: Situação de Gleisi é mais complicada que de Janja em PL do aborto

A cobrança por um posicionamento sobre o projeto de lei que equipara aborto a homicídio coloca a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, em posição mais delicada do que a da primeira-dama Janja da Silva, avaliou a colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo no UOL News desta sexta (14).

Após a aprovação em regime de urgência da tramitação do PL do aborto na Câmara, Janja levou pela menos 34 horas para se manifestar contra o projeto. Gleisi ainda não se pronunciou publicamente sobre a questão.

Não queria estar na pele da Gleisi. Sabemos o que ela pensa sobre isso, mas Gleisi é presidente de um partido que disputa eleição como cabeça de chapa ou como aliança em cinco mil municípios. Não deve ser fácil com todas as pressões que ela está sofrendo para não colocar o PT.

Lira quer mandar um recado para o Lula. Essa bancada quer carimbar na cara do presidente e do PT que eles são abortistas. Eles ficam levantando esse tema, que nunca é abordado pelo PT e pelo governo federal. Como se entra em uma rede que o inimigo está te jogando?

Tudo tem que ser muito bem estudado. A situação da Gleisi é ainda mais complicada do que a da Janja, mas acredito que ela se posicionará em algum momento. Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo

Para Bergamo, o pronunciamento de Janja sobre o PL do aborto sinaliza que Lula logo fará o mesmo, embora o presidente tenha dito que tratará do assunto somente quando voltar ao Brasil. A colunista ressaltou que o desgaste com o Congresso faz o governo medir bem as palavras antes de se manifestar sobre um tema tão delicado.

Janja vai na linha do Lula. Nunca a vi dizer algo que seja contrário a ele, o que vá de frente contra ele publicamente. Tenho certeza de que essa mensagem que ela botou foi estudada e mostrada ao Lula. Quero crer nisso.

Foi jogada uma armadilha e eles precisam saber como lidar. Não tem como desviar dela, mas eles têm como desarmá-la. Para isso, precisam refletir um pouco antes de sair falando. Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo

Bergamo: Fala de Janja será distorcida para colar selo de abortista em Lula

Continua após a publicidade

Os opositores do governo Lula usarão as declarações de Janja sobre o PL do aborto de forma distorcida, com o intuito de colocar em Lula a imagem de defensor do aborto, analisou Bergamo.

É óbvio que Janja está em uma posição na qual ela não pode sair falando. Isso já teve consequências para o governo em muitos momentos. Diante de uma situação em que claramente setores do Congresso querem colocar isso no colo do Lula para carimbar a testa dele como abortista, Janja não tem que falar enlouquecidamente. Mas obviamente ela não poderia silenciar.

Cada palavra da Janja tem que ser estudada, porque cada uma delas fatalmente será distorcida e reembrulhada para botar no marido dela um carimbo de abortista, com as consequências que isso pode ter diante de um eleitorado evangélico, por exemplo, que está ouvindo pregações absolutamente fantasiosas e mentirosas sobre qual seria a postura do presidente em relação a temas dessa natureza. Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo

Tales: PL do aborto foi à pauta por acordo entre evangélicos e Lira

O PL do aborto entrou na pauta do Congresso por conta de um acordo entre evangélicos e o presidente da Câmara Arthur Lira para a eleição do comando da Casa, revelou Tales Faria. Em conversa com o colunista, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), autor do projeto, contou que o acerto com Lira já estava fechado há pelo menos um ano e envolve outros temas que interessam a esta bancada.

Continua após a publicidade

O relator do projeto disse que o acordo com Lira é realmente fruto de um acordo com os evangélicos e que isso foi fechado há mais de um ano, quando Lira quis se reeleger presidente da Câmara. Ele fechou que colocaria em pauta essa questão do aborto. Foram fechadas cinco propostas dos evangélicos. Lira não colocou tudo o que eles queriam e foi cobrado. O deputado diz que eles têm 300 votos na Câmara para aprovar o projeto. Vamos ver se é tudo isso mesmo. Tales Faria, colunista do UOL

O UOL News vai ao ar de segunda a sexta-feira em duas edições: às 10h com apresentação de Fabíola Cidral e às 17h com Diego Sarza. O programa é sempre ao vivo.

Quando: De segunda a sexta, às 10h e 17h.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Deixe seu comentário

Só para assinantes