PUBLICIDADE
Topo

OMS diz que só isolamento controlará covid-19 e anuncia morte de crianças

Do UOL, em São Paulo

16/03/2020 13h27Atualizada em 16/03/2020 16h56

A OMS (Organização Mundial de Saúde) pediu hoje mais empenho dos governos para conter o avanço do novo coronavírus pelo mundo. Em entrevista coletiva, o diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que é preciso ampliar o número de testes e o isolamento para prevenir novas infecções.

Ghebreyesus disse também que, apesar de o maior risco estar no grupo acima de 60 anos de idade, jovens, incluindo crianças, já morreram por causa da doença.

Em sua fala, Ghebreyesus defendeu a necessidade de as pessoas saberem qual pessoa lhe transmitiu o vírus e de manter as estratégias de contenção do risco.

"Você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado. Esta é uma doença séria. Embora as evidências sugiram que aqueles com mais de 60 anos corram maior risco, jovens, incluindo crianças, morreram", disse.

"Temos uma mensagem simples para todos os países: testem, testem, testem. Testem todo caso suspeito de covid-19. Se o teste der positivo, isole [a pessoa] e descubra quem esteve em contato com ela em até dois dias antes dos primeiros sintomas e os testem também", declarou.

Conforme o coronavírus avança em países subdesenvolvidos, a OMS disse estar preocupada com o impacto que ele pode ter em populações com HIV e em crianças com desnutrição.

"Estamos chamando todos os países e indivíduos para fazerem tudo o que puderem para pararmos a transmissão", afirmou o diretor-geral da OMS.

"Sabemos que as crianças podem ser infectadas e que elas podem morrer por essa doença. Não podemos dizer universalmente que é (uma doença) leve em crianças", acrescentou Maria van Kerkhove, diretora da área de Doenças e Zoonoses Emergentes da OMS.

Diretor cobra mais testes para população

Ghebreyesus cobrou que os governos ampliem a disponibilização de testes para a população como medida preventiva.

"Temos visto uma rápida escalda em medidas de distanciamento social, como fechamento de escolas, cancelamento de eventos esportivos e outras aglomerações, mas não temos visto uma urgência suficiente na escalada de testes, isolamento e contato de origem, que é a espinha da resposta à covid-19", afirmou.

Segundo ele, as medidas adotada pelos países até aqui podem ajudar a reduzir os casos de transmissão, mas elas não são suficientes para eliminar a pandemia.

"É a combinação que faz a diferença. Como eu tenho dito, todos os países devem ter uma abordagem integrada", disse.

Coronavírus liga alerta pelo mundo

OMS recomenda isolamento em hospitais

Além disso, Ghebreyesus recomendou aos governos que todos os casos oficiais de covid-19 sejam isolados em hospitais. Muitos pacientes, principalmente os que estão fora do grupo de risco, vêm sendo tratados em casa.

"A OMS recomenda que todos os casos confirmados de covid-19, até mesmo os menos graves, devem ser isolados em unidades médicas para prevenir a transmissão e providenciar o cuidado adequado", afirmou Ghebreyesus.

Apesar da recomendação, o diretor-geral da OMS reconheceu que muitos países já excederam a capacidade de tratar casos de coronavírus em hospitais.

"Nesse caso, os países deveriam priorizar pacientes mais velhos e aqueles em condições reais. Alguns países expandiram sua capacidade usando estádios e ginásios para atenderem casos menos graves, com casos mais críticos sendo tratado em hospitais", declarou.

Coronavírus