PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Números da pandemia no Rio comprovam péssimo trabalho dos governantes

 Grande movimentacao de ambulancias e carro de funerarias  no Hospital de referencia Ronaldo Gazolla  em Acari   - JORGE HELY/ESTADÃO CONTEÚDO
Grande movimentacao de ambulancias e carro de funerarias no Hospital de referencia Ronaldo Gazolla em Acari Imagem: JORGE HELY/ESTADÃO CONTEÚDO
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

16/04/2021 08h40

Anestesiada por tantas mazelas que a castigaram nos últimos anos — da corrupção milionária de ex-governadores à crise crônica da Segurança Pública —, a população fluminense parece não se dar conta do tamanho da tragédia que atualmente se abate sobre o Rio. Diante da gestão ineficaz do governador, de prefeitos e do governo federal, o estado mantém a segunda maior taxa de letalidade do país, atrás apenas do Amazonas.

A situação é tão grave que Amazonas e Rio têm taxas de mortalidade por coronavirus maiores que os dez países com mais óbitos no mundo. A comparação foi feita em relatório do Tribunal de Contas da União: Amazonas tem 286 mortes por 100 mil habitantes, o Rio 261 e em terceiro aparece República Tcheca, com 250.

O agravante no caso do Rio é que o estado tem a maior rede de hospitais públicos do país. A péssima administração dessas unidades e a insuficiência das medidas restritivas são a contribuição das autoridades para o agravamento da pandemia.

Receoso em desagradar o presidente Jair Bolsonaro, com quem é alinhado política e ideologicamente, o governador Cláudio Castro (PSC) adotou medidas brandas de restrição à circulação, apenas determinando pequena limitação de funcionamento para o comércio e toque de recolher na madrugada — cuja fiscalização é incipiente.

Preferiu apostar na abertura de novos leitos a tomar qualquer decisão que se pareça com um lockdown — como se uma coisa substituísse a outra. Há um mês prometeu criar 900 vagas em enfermarias e UTIs, mas até hoje cumpriu pouco mais da metade.

Mesmo para fazer as recomendações mais básicas à população, como evitar aglomeração e usar máscara, Castro perdeu credibilidade desde que foi divulgada em vídeo a sua festa de aniversário, cheia de gente aglomerada e sem máscara.

Para piorar, o governador fluminense criou há poucos dias um comitê científico que era desconhecido até pelo próprio secretário de Saúde. Alguns integrantes do grupo estão na vanguarda do atraso: ainda são adeptos do famigerado tratamento precoce, que as maiores instituições científicas do Brasil e do mundo disseram várias vezes não ser eficaz. Pelo contrário, pode representar risco de vida.

Também nesse item, Castro prefere seguir o estilo bolsonarista a se guiar pela ciência de qualidade, como se a situação do Rio permitisse perder tempo com tais bobagens.

O governo Bolsonaro, por sua vez, dá importante colaboração para piorar a situação desesperadora da população fluminense. Os hospitais federais têm nada menos que 700 leitos fechados, por falta de profissionais e equipamentos.

Nessa parceria macabra que leva ao desastre, vários prefeitos fluminenses têm sua responsabilidade. Na capital, Eduardo Paes também evita lockdown e não consegue colocar frota de coletivos suficiente para evitar a aglomeração dos passageiros.

Em dois dos municípios mais populosos da Região Metropolitana, Duque de Caxias e São Gonçalo, medidas restritivas são praticamente inexistentes e o comércio segue funcionando, com multidões a passear pelas calçadas.

Tal receita para o caos resulta em números dramáticos: ontem, o Rio registrou 338 óbitos. Difícil saber quantas, mas muitas dessas mortes ocorreram enquanto pacientes esperavam vaga em UTIs lotadas. Para piorar o quadro, kits de intubação estão em falta e mesmo doentes que conseguem se internar correm o risco de ter um tubo colocado na garganta sem dispor dos necessários sedativos para amenizar a dor.

A tragédia que acomete esses pacientes exige que autoridades federais, estaduais e municipais passem a ter sentido de urgência compatível com a situação.

Até porque os números da pandemia no estado mostram que, até aqui, o trabalho dos governantes fluminenses nesse momento crucial pode ser considerado péssimo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL