PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Jamil Chade

Alemanha contrata médicos imigrantes para ajudar na pandemia

Chanceler alemã, Angela Merkel - POOL New
Chanceler alemã, Angela Merkel Imagem: POOL New
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

15/04/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Regiões como Saxônia fazem campanhas em redes sociais convidando médicos imigrantes e refugiados a se apresentar a postos de trabalho
  • Sob Merkel, Alemanha recebeu 1 milhão de refugiados
  • Cerca de 14 mil médicos sírios aguardam revalidação de seus diplomas

Nas redes sociais, um anúncio do governo da Saxônia era explícito: as autoridades do estado pediam que médicos imigrantes que estivessem na Alemanha se apresentassem para ajudar no combate à pandemia do coronavírus, mesmo que seus títulos não estivessem reconhecidos no país europeu.

"Estamos procurando médicos sem aprovação e que fiquem na Saxônia para nos ajudar na pandemia", afirmou o comunicado das autoridades.

O estado é a base de um dos movimentos mais xenófobos da Alemanha, o Pegida. A Saxônia é ainda a região com a maior penetração da influência do partido de extrema-direita Alternativa para Alemanha e que tem o discurso anti-imigrante como uma de suas principais bandeiras.

Agora, recorre justamente a essas pessoas para ajudar a salvar vidas, algumas das quais votaram pelos movimentos anti-estrangeiros.

O estado não foi o único a sair em busca de estrangeiros. Hamburgo anunciou que precisava de voluntários e abriu o espaço para que médicos estrangeiros pudessem se apresentar.

Considerada como exemplo na luta contra o vírus, a Alemanha conseguiu a façanha de testar 100 mil pessoas por dia e sua capacidade excedente de leitos de UTI explica, em parte, o número relativamente pequeno de mortes no país.

Mas o país sofre com a falta de profissionais e foi buscar justamente naqueles que entraram na Europa nos últimos anos uma saída.

Desde 2015, a Alemanha se transformou num dos principais destinos de imigrantes e refugiados, principalmente da Síria. A política de portas abertas de Angela Merkel garantiu o desembarque de 1 milhão de sírios. O gesto lhe custou uma forte reação doméstica e o surgimento do partido Alternativa para Alemanha como uma força política.

No total, 3,9 mil médicos sírios vivem na Alemanha, a segunda maior nacionalidade entre os profissionais estrangeiros. Mas algumas estimativas apontam que outros 14 mil ainda aguardam para saber se terão seus diplomatas reconhecidos e quais cursos terão de realizar para poder voltar a ter uma carreira profissional no novo país.

Com a guerra que eclodiu em 2011, a Síria perdeu 40% de todos os seus médicos. 80% deles tinham acabado de se formar quando optaram por deixar o país.

Mas, fora da Síria, o processo de revalidação de diplomatas pode levar anos.

Desde 2018, porém, grupos de extrema-direita têm tentado barrar iniciativas do governo federal alemão para permitir que médicos ou outros profissionais estrangeiros possam começar a trabalhar, enquanto esperam para saber o destino de seus pedidos de asilo.

Suspensão

A busca por estrangeiros para preencher as vagas no esforço nacional contra a pandemia, porém, é apenas parte da história envolvendo refugiados e imigrantes. Milhares deles estão confinados em centros de asilo e, diante da quarentena, a tensão aumenta diante da impossibilidade de se manter um distanciamento social adequado. Para muitos, o confinamento também representa um abalo em suas rendas.

O governo alemão ainda anunciou em março que estava suspendendo qualquer processo de re-localização daqueles que pediram asilo no país, deixando famílias com seus destinos em suspense.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Jamil Chade