PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

Araújo é "secretário" de Eduardo Bolsonaro no Itamaraty, diz Marcelo Calero

Marcelo Calero (Cidadania-RJ) é diplomata de carreira e já havia criticado a indicação de Ernesto Araújo - Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Marcelo Calero (Cidadania-RJ) é diplomata de carreira e já havia criticado a indicação de Ernesto Araújo Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

29/04/2020 04h03

Marcelo Calero entrou no Itamaraty em 2007, mas jamais pensou que iria questionar publicamente, um dia, o próprio chefe da diplomacia brasileira e o denunciar por não ser patriota. Hoje deputado federal do Rio de Janeiro pelo Cidadania, seu discurso colide frontalmente contra o chanceler Ernesto Araújo.

Calero ocupou o cargo de Ministro da Cultura no governo Michel Temer. Ele deixou a pasta seis meses depois após denunciar pressão do então ministro-chefe da Secretaria de Governo do Brasil, Geddel Vieira Lima, para que decisões atendessem seus interesses pessoais. O ex-ministro Geddel foi preso após investigações chegarem ao apartamento dos Vieira Lima com R$ 51 milhões em espécie, em Salvador.

Em entrevista à coluna, Calero alerta sobre os riscos que a política externa corre sob o comando de Araújo e aponta para o clima de medo que reina hoje no Itamaraty, com mais intensidade do que existia até mesmo durante a Ditadura Militar (1964-1985).

Segundo ele, o temor é de que o gabinete do chanceler esteja conduzindo trabalhos de vigilância contra os próprios diplomatas. Calero, porém, acredita que Araújo seja apenas "uma peça decorativa" numa estrutura onde o poder de definir a política externa estaria com Eduardo Bolsonaro e o olavista Filipe Martins.

Eis os principais trechos da entrevista:

UOL - O sr. é um diplomata de carreira, mas também deputado. Confesso que desconheço o caso de um funcionário do Itamaraty que tenha abertamente declarado que o chanceler deva se retirar. O que o levou a tomar tal postura?
Marcelo Calero - As razões principais desse movimento dizem respeito à atuação mais do que vacilante do ministro das Relações Exteriores na defesa dos interesses nacionais. Ernesto Araújo revelou-se um servidor despido de patriotismo, uma vez que suas ações -- e omissões -- colocaram em risco a credibilidade do país, a defesa de nossos interesses em áreas tão importantes e essenciais quanto a economia, a saúde e a segurança.

Estamos assistindo a um crescente distanciamento da comunidade internacional em relação ao Brasil. Nossas opiniões deixaram de ser levadas em consideração — isso quando ainda temos a sorte de sermos ouvidos. Embora sejamos uma democracia vibrante, viramos o patinho feio das relações internacionais.

Para ficarmos no exemplo mais recente desse alijamento, cito a investida do ministro Araújo contra a OMS (Organização Mundial da Saúde), feita por meio de um artigo paranoico e cheio de teorias conspiratórias, justamente em um momento no qual as nações precisam estreitar laços e ampliar a cooperação. Repito o que mencionei na nota que assinei com o presidente do meu partido, Roberto Freire: Ernesto Araújo deveria dedicar seu tempo a adensar negociações internacionais para a aquisição de equipamentos médicos, a compra de testes confiáveis de detecção do coronavírus ou o compartilhamento das melhores práticas na contenção da doença, e não ir na contramão do mundo civilizado.

Qual o resultado prático que colhemos até agora? A não participação do Presidente da República na reunião de alto nível da OMS para criar uma nova aliança internacional voltada à produção e distribuição de tratamentos e medicamentos para lidar com a pandemia do novo coronavírus. Em vez de sermos solução, passamos a ser problema, o "bode na sala".

Além disso, os diplomatas do Itamaraty dos nossos dias vivem sob a égide do medo. Os relatos dos embaixadores mais antigos dão conta que, mesmo durante a ditadura militar, o medo não se instalou da forma tão contundente como agora entre os servidores do Ministério das Relações Exteriores. O receio é que a atual gestão esteja repetindo o trabalho odioso desempenhado pelas antigas estruturas de vigilância, porém de forma adaptada, atualizada, com uso de recursos tecnológicos, além do monitoramento de redes sociais dos servidores. Adicionalmente, a perseguição pode se manifestar de formas bem sutis, e recebemos denúncias que vão justamente nesse sentido.

O presidente Donald Trump ouve o assessor internacional da Presidência brasileira, Filipe Martins, ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro, ministro Ernesto Araújo e o secretário de Governo americano, Mike Pompeo, na Casa Branca - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
O presidente Donald Trump ouve o assessor internacional da Presidência brasileira, Filipe Martins, ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro, ministro Ernesto Araújo e o secretário de Governo americano, Mike Pompeo, na Casa Branca
Imagem: Reprodução/Twitter

Além de Araújo, a política externa parece ser fortemente influenciada por Eduardo Bolsonaro. Quem é de fato hoje o ministro, na avaliação do sr?
O preceito constitucional é claro: compete ao presidente da República manter relações com Estados estrangeiros. O Presidente dá as diretrizes gerais da política externa nacional, cuja execução, no entanto, cabe ao Ministério das Relações Exteriores. Com maior ou menor independência, o Itamaraty sempre conseguiu desempenhar suas atividades com técnica, experiência e vigor ao longo dos anos, mesmo sob a liderança de ministros que não eram diplomatas de carreira.

A situação que se apresenta atualmente é absolutamente esdrúxula, um ponto fora da curva. Embora tenhamos um funcionário de carreira à frente da pasta, tudo leva a crer que se trata apenas de uma peça decorativa, sem forças para aconselhar ou mesmo se contrapor ao presidente quando necessário. O que temos observado é que não apenas o deputado Eduardo Bolsonaro, mas também o olavista Filipe Martins, é que dão o tom e, ao que tudo indica, caberia ao embaixador Ernesto Araújo a tarefa de secretariar os ministros de fato.

Como o senhor avalia as relações do Brasil com Trump?
Ter relações corretas com os Estados Unidos é essencial não apenas para o Brasil, mas para qualquer país que tenha o mínimo de inteligência geopolítica. Temos muito espaço para estreitar as relações, mas não podemos incorporar essa visão maniqueísta quando se trata de nossa ligação com os Estados Unidos.

Não precisamos ser inimigos do mundo civilizado para sermos amigos dos Estados Unidos. E, mais importante, considero um equívoco apoiarmos o intercâmbio diplomático em uma virtual relação de amizade entre os presidentes e suas famílias — que, sabemos, é pura bajulação.

Os Estados Unidos são uma nação extremamente diversa, assim como o Brasil. Os governos passam, e a diplomacia tem de ser usada para a manutenção dos laços políticos e comerciais em quaisquer que sejam os governos. Não é isso que está acontecendo agora.

Em um ano e meio, rompemos alguns dos nossos maiores pilares da política externa. Mas um dos ataques mais duros tem sido contra o sistema multilateral. Historicamente, fomos beneficiados por tal sistema ou existe alguma base para questionar tal sistema?
O Brasil se beneficiou historicamente do multilateralismo, uma vez que algumas de nossas vantagens comparativas -- como, por exemplo, em termos de poderio militar -- não são tão fortes assim. Foi justamente o sistema multilateral instaurado após a Segunda Guerra Mundial que garantiu parte importante do protagonismo brasileiro na esfera internacional. Passamos a dominar o "soft power", em detrimento do "hard power" das armas. Mais do que isso, nossos posicionamentos sempre prevaleceram, e muitas das vezes serviam de orientação a outros países, que enxergavam o Brasil como construtor de consensos e posições comuns.

Contra toda nossa tradição diplomática, o ministro Ernesto Araújo tem feito um malabarismo intelectual para justificar o injustificável. O que ele quer dizer nos textos confusos e que ninguém entende é basicamente o seguinte: se nos alinharmos automaticamente aos Estados Unidos, eles vão endossar automaticamente nossas pretensões internacionais; logo, não precisaremos mais do apoio do resto do mundo. Acontece que a realidade se impõe. O que os atuais gênios da política externa achavam que iria ocorrer de forma automática, como o apoio dos EUA ao ingresso imediato do Brasil na OCDE, não veio.

A política externa se transformou numa arma da guerra cultural do governo. Quais as consequências disso para o futuro das relações do Brasil com seus principais parceiros?
O Brasil é reconhecido internacionalmente por sua capacidade de resolver diferenças de forma conciliatória, com discrição e eficiência, e também por sua tradição pacífica. Esta postura sempre foi nosso ativo. Sempre agimos assim, concentrados em resolver nossos problemas internos, enquanto tratamos com respeito máximo os demais países.

A principal consequência da política desastrosa atual é que ela coloca em xeque nossa credibilidade e, portanto, nosso poder de barganhar e influenciar. Essa guerra cultural do governo também mina a própria capacidade de formulação da política externa, com prejuízos graves à defesa de nossos interesses. Não é por acaso que outros ministros — e não o titular das Relações Exteriores — foram algumas vezes chamados a apagar incêndios lá fora.

Como diplomata, onde está hoje o Brasil no mundo?
Estamos perdendo credibilidade e confiança, ativos fundamentais nas relações entre Estados. Infelizmente, viramos piada em escala global. Somos alvo de chacota nos corredores dos órgãos multilaterais e somos questionados bilateralmente sobre a sanidade mental de nossas lideranças. A nota positiva é que temos um quadro de servidores altamente qualificados, com sólida experiência e que trabalham incansavelmente. Precisaremos muito de nossos colegas quando iniciarmos a reconstrução.

Errata: o texto foi atualizado
Por um erro, a legenda da foto principal deste texto dizia que Marcelo Calero já havia criticado a indicação de Eduardo Araújo. O nome correto do chanceler brasileiro é Ernesto Araújo. A legenda foi corrigida.